Tudo que vemos nessa foto não existe mais, casas, postes, placas de transito e até mesmo a rua, que desapareceu.
A Rua Rodrigues dos  Santos foi uma das ruas que foram riscadas do mapa nas atabalhoadas reformas urbanas no Estácio, parte dos imóveis caíram para a construção do Piranhão, posteriormente mais prédios foram demolidos para as escavações da gigantesca estação Estácio e por fim o que sobrou caiu para dar lugar a praticamente nada, um enorme vazio urbano que agora timidamente vai sendo ocupado, destino igual que terá o tal Porto Maravilha.
A Rodrigues dos Santos possuía uns 4 quarteirões começando na Rua Neri Pinheiro e terminando na também desaparecida Rua Machado Coelho, orientação essa partindo do Castelo. Nossa foto é tomada em direção a Neri Pinheiro.
Ela corria pelos fundos do hospital da Polícia Militar, inclusive no fim da Rua Visconde de Duprat, vista na próxima esquina, havia uma escadaria de acesso ao hospital, no ponto onde hoje há um estacionamento rente a encosta e velhos muros de arrimo.
A exata posição da rua pode ser apenas especulada, no traçado de hoje, pois mesmo os imóveis que vemos no fundo na Neri Pinheiro sumiram, possivelmente ela terminava na Neri Pinheiro onde hoje está um prédio da Universidade Petrobrás e os muros do prédio da Telefônica OI, num exercício podemos dizer que a atual Rua Ulysses Guimarães onde está o COR da PMCRJ é a herdeira espiritual da velha via.
O velho tecido urbano misturava prédios dos anos 30, sobradões, casas térreas do início do séc. XIX e galpões possivelmente já erguidos onde antigos imóveis já tinham caído, tudo envolto numa decadência que em compasso de espera imaginava a destruição total desde os anos 50, quando os planos de arruinamento do Mangue e do Estácio, se juntaram aos de destruição da Cidade Nova e partes do Catumbi dos anos 40.