Regata, Praia de Botafogo anos 20


Como agora temos a possibilidade de se observar as fotos na resolução disponível posto essa foto da coleção do Honório Vargas que mostra um dia de regatas na frente do velho Pavilhão de Regatas na antiga Enseada de Botafogo.
Do final do séc. XIX até os anos 30 do séc. XX as regatas sempre tiveram não só um grande público, mas como torcedores apaixonados e muitos atletas que levavam suas pelejas extremadas até mesmo nas vias do Catete inundadas por temporais ou ressacas. Mas a raia oficial da cidade era a tranquila enseada, onde a Adm. Passos ergueu um pavilhão em fer-forgé para substituir uma antiga tribuna que existia na orla velha de Botafogo. Do Centro até a Praia da Saudade diversos clubes tinham suas garagens de barcos, curiosamente refletindo o estrato social de seus associados e atletas. O único que se distanciava era o Vasco com sede em São Cristóvão e garagem de barcos na praia homônima, hoje desaparecida, história essa contada numa série feita sobre a história do Clube Guanabara por volta de 2004 nos tempos de fotolog.
A foto apesar de possuir uma nitidez impressionante, típica de negativos de grande formato não é, em sua versão digitalizada, muito grande. Mas nos permite observar vários detalhes.
No extremo direito vemos a passarela que ligava a terra firme a estrutura metálica do pavilhão e nela um grupo de moças e senhoras todas de vestidos claros e longos.
No meio dos vários esquifes, de diversos tipos vemos uma plataforma flutuante, que ficava bem de frente ao pavilhão, possivelmente para se comandar o partidor que parece estar mais à frente, engalonado com fitas, ainda na água outra estrutura, que parece ser uma pequena “cabine” de observação, possivelmente para algum árbitro.
Ao fundo vemos da esquerda para a direita os prédios da City, do Clube Guanabara, a sede náutica do Botafogo, o Pavilhão Mourisco e por fim o coroamento com relógio do Cine Hight-Life, demolido nos anos 70 como Cine Guanabara.
Mais ao fundo o Morro dos Pasmado, com suas abas recortadas para a passagem da Av. Pasteur e a casa da família de Oscar Gama, dono da incorporadora URCA, que nessa época construía o bairro que leva seu nome.

22 comentários em “Regata, Praia de Botafogo anos 20”

  1. De tudo que estamos vendo nessa foto, só sobraram a Mansão Fonseca Costa e um prédio da City no meio dos galpões da CEDAE.

    1. Passei pela CEDAE agora há pouco e não vi mais o velho prédio revestido de pedra, típicos da City. Acho que foram ao chão. Sobrou então apenas a Mansão Fonseca Costa.

      1. O prédio revestido de pedra ficava espremido entre a Pasteur e o Guanabara e ainda aparece no Street View. Não está mais lá?

  2. A cidade parava no início do século XX com as regatas na Praia de Botafogo. O cenário, na época, era belíssimo.
    Foi uma pena a demolição desta sede do Botafogo.

  3. Em verdade, a fundação e sede do Vasco esteve relacionada à região portuária da Saúde, Gamboa e Santo Cristo.
    De fato, a odisséia desde a sua primeira garagem de barcos se iniciou em 1898 na antiga Ilha das Moças (com a construção de um barracão-chalet), cuja localização hoje em dia corresponde à esquina defronte à Rua Pedro Alvares Cabral (antiga Praia Formosa) com Rua Santo Cristo (dos Milagres), conhecida até então como Ponta do Boticário, do encontro do braço de mar que se estendia sobre São Diogo (região do Canal do Mangue) e o Saco do Alferes (lado direito da rua Santo Cristo); já a Praia de São Cristóvão era a margem oposta a São Diogo, onde se localiza a igreja de mesmo nome, a caminho do Caju.
    Diz-se que na época a região já se encontrava assoreada pelo aterro oriundo do desmonte do Morro do Senado, o que permitia chegar-se à referida ilha a pé. O local era acessível também por bondes tanto pela Rua Santo Cristo, como pela Praia Formosa, onde é existente até hoje a estação terminal de bonde da Villa Guarany. Em 1902 foi inaugurada pela Cia. Melhoramentos a estação inicial de trem da linha auxiliar, com o nome Estação Inicial Ilha das Moças, sem qualquer registro fotográfico até pudéssemos encontrar.
    O Vasco também mantinha uma sede administrativa, alugada a um dos sobrados (existentes até hoje) em frente ao Largo da Imperatriz, cujo cais foi recentemente redescoberto pelas obras na Av. Barão de Tefé para revitalização da região portuária), sendo que a primeira escolinha de remo foi ali fundada em setembro de 1898, funcionando para o associado (em sua maioria comerciantes e comerciários da região) a partir das 19h.
    Neste cais, a 10 de setembro de 1898 (domingo), “o Vasco recebeu a visita de seus irmãos mais velhos de remo tripulando embarcações de seus clubes corretamente uniformizados que antes de desembarcarem levaram remos ao alto e saudavam o adversário visitado” (Club de Regatas Vasco da Gama: Histórico – José da Silva Rocha – Gráfica Olímpica Editora-Rio – 1975 1.ª ed. – p. 17 ).
    A distância e o projeto de aterro do porto que seria construído a partir de 1905 fizeram com que, ainda no ano de 1899* – menos de 1 (um) anos após a sua fundação, o Vasco transferisse sua garagem para a região central da cidade – na antiga Travessa do Maia, n.º 15 – visto que as embarcações eram conduzidas pelos próprios remadores da região da Saúde até a Praia de Santa Luzia, local das competições antes da construção do Pavilhão de Regatas em Botafogo.
    Ainda não pudemos verificar se o Vasco chegou a manter concomitantemente a garagem da Ilha das Moças com a da Travessa Maia e por qual período, estando dependentes de novas pesquisas.

    *A reunião que decidiu o local para onde se iria transferir a garagem de barcos foi motivo de grave dissidência interna, o que motivou o então presidente Francisco Gonçalves Couto Junior a renunciar à presidência e retirar seus barcos em favor da fundação de um novo clube no local em que havia apoiado no final da Enseada de Botafogo, o Grupo de Regatas Guanabara, posteriormente Clube.
    Como certas coisas só acontecem ao Vasco, depois de renunciar e fundar uma nova agremiação, Francisco Gonçalves Couto Junior, redimido, retornou posteriormente ao Vasco em 1901, reassumindo a presidência, vindo a falecer no cargo no início de março de 1902.
    (1) A título de curiosidade, quando fiz escolinha natação no Guanabara em meados dos anos 70, lembro que os armários do clube continham a inscrição: “GUANABARA – VASCO DA GAMA”.

    1. Um reparo deve ser feito ao meu comentário, de fato a União Fluminense de Regatas, já mantinha em 1899 sua raia oficial para competições na Enseada de Botafogo, sendo a sua localização um dos cernes da primeira dissidência do CRVG naquele ano.

  4. Henrique deu uma senhora aula…
    Do jeito que cuidam da coisa pública, este pavilhão já teria passado de fer-forgé pra fer-enferrujé, caso ainda existisse.

  5. Ano passado, estive em frente e fotografei a antiga sede administrativa do Vasco na rua do Propósito, perto do Quartel da Praça da Harmonia.

    1. Augusto, o prédio localizado na Rua do Propósito n.º 20 – Saúde, é na verdade a sede da Sociedade Dramática Particular Filhos de Talma, que à época emprestou seu salão para as reuniões preparatória da fundação do CRVG, juntamente com o Club Dançante e Recreativo Estudantina Arcas Comercial, que era localizado na antiga Rua São Pedro, esquina com Rua dos Andradas.
      Em que pese uma placa colocada pelo CRVG nos 60 anos de sua fundação, nsse prédio dos Filhos de Talma não se realizou sua fundação, estando tal prédio em estado lastimável, estando interditado dado o seu estado de abandono. (sobre: http://www.youtube.com/watch?v=sVGp1pG9PSc&feature=related)
      Por uma coincidente sorte, estive nesse prédio no dia de ontem e pude fotografá-lo internamente.
      Como tive oportunidade de informar acima, o CRVG alugou primeiramente um sobrado no Largo da Imperatriz (junto ao Hospital dos Servidores) no ano de 1898, que serviu de secretaria e tesouraria, mas a Assembléia de Fundação se deu num pequeno prédio também localizado na Rua Sacadura Cabral (antiga da Saúde) n.º 293.

      1. Valeu pelo esclarecimento.
        A informação que eu tinha fora passada, no dia em que tirei as fotos, por um dos colegas de minha irmã.

  6. Busco informações para uma pesquisa. Saberias me dizer quando as regatas aconteciam? Quero dizer, havia um período no ano ou algo assim? Obrigada pela atenção e parabéns pelas belas fotos!

  7. O Club de Regatas São Christóvão – hoje São Cristóvão F.R., após fusão em 1943 com o São Christóvão Athletic Club – também ficava distante dos locais de regatas.

Deixe uma resposta para JBAN Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 11 + 14 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...