Viaduto de Cascadura, anos 50

Hoje iremos aos subúrbios da Central, mais precisamente a Cascadura e nessa imagem dos anos 50 mostramos o viaduto que passava sobre a linha do trem e que permite a junção de importantes vias suburbanas, descendentes diretas das primais vias de penetração nos primóridos da região. As avenidas Suburbana ( hoje D. Helder Câmara), Ernani Cardoso e Rua Carolina Machado.
O viaduto, “obra de arte” em concreto armado protendido (ou não) pioneira em nossa cidade foi construído como parte do leito da primitiva estrada Rio São Paulo no governo de Washington Luiz em 1928 sobre a risca de projeto do engenheiro Eugênio Baungart. O viaduto visava não só eliminar a indesejada passagem de nível que atrapalharia o tráfego da nova estrada em ponto tão central para os subúrbios como também já antevia a eletrificação da Central, já em estudos nessa época, mas só implementada no Estado Novo, mais de 10 anos para frente.
A construção do viaduto também provocou mudanças na região como a eliminação da praça que existia no encontro da Rua Carolina Machado com a Suburbana, sepultando também um chafariz que datava dos tempos coloniais e que servia de aguada para cavalos e muares que vinham das profundezas do Sertão Carioca. O local era um importante entreposto de gêneros do sertão para a cidade, existindo também o Mercado de Cascadura, demolido também para a implantação do viaduto. Preocupada com o comércio e o abastecimento da cidade a PDF promoveu em 1929 ampliações no Mercado de Madureira para abrigar os produtores desalojados do demolido mercado, aumentando mais ainda a importância do estabelecimento de Madureira. Salienta-se que também houve a tentativa dos produtores de criar um mercado em Campinho, que não foi bem sucedida, tendo o terreno ficado para a PDF.
Em 1965 o viaduto já se mostrava esgotado, não acompanhando as obras que ocorreram ao longo dos anos 40 e 50 executadas pelo DER-DF e SURSAN no alargamento das Avenidas Suburbana e Ernani Cardoso, por isso o EGB, na figura do DER-GB executou a duplicação do viaduto. Sua estrutura era tão bem feita que permitiu ao corpo técnico do DER-GB a aplicação de novos tabuleiros e pilares aproveitando-se da estrutura já existente, criando um novo viaduto em “anexo” ao construído em 1928. As obras provocaram novas demolições na região notadamente do outro lado da linha férrea.
Na foto vemos a aparência do viaduto muito próxima  da sua inauguração, trechos do pavimento ainda estão em paralelepípedo, pois acreditava-se que o asfalto não aderia em rampas mais pronunciadas, bem como  vemos os pequenos postes em ferro-fundido presos em nichos na grossa amurada lateral, amurada esta que ainda resiste no lado direito do viaduto nos dias de hoje, inclusive com as fixações da velha iluminação pública.
Ao fundo, na direita sobe o prédio com estilo moderno da Associação Comercial de Cascadura, um importante indicador da grande movimentação de bens que essa região historicamente possuia, e que mesmo com a querda da importância econômica dos subúrbios fomentada por décadas de desadministração desta cidade ainda se mantém.
Uma pequena parcial do local nos dias de hoje pode ser vista aqui: http://migre.me/3Qgdo ( link compactado)

20 comentários em “Viaduto de Cascadura, anos 50”

  1. Esse viaduto anexo a que se refere o Decourt, durante sua construção me intrigava bastante.
    De perfil extremamente delgado ficava eu preocupado com sua segurança visto que o trânsito por cima dele é intenso.
    A foto parece-me que retrata a descida(hoje) em direção a D.Helder e existe até um posto de gasolina ao final do viaduto.

  2. André, esse viaduto foi cosntruído somente em concreto armado. Em 1928 ainda não se utilizava a protensão nas construções. O concreto protendido só foi utilizado mesmo após a segunda guerra mundial, devido a escassez de aço na Europa e parece que a primeira obra no Brasil com esse novo método foi a Ponte do Galeão em 1948.

    1. Também imaginava isso Leandro, porém li em um velho livro que dizia que se utizou de tirantes metálicos com pontas dobradas, tedo ficado aí a minha dúvida sobre a protenção ou não de algum vão ou trecho de algum tabuleiro

  3. Magnífica foto.
    A antiga Estrada Real de Santa Cruz foi seccionada exatamente aí quando foi renomeada. Vindo da cidade começava na atual São Luiz Gonzaga, integrava com a Suburbana (atual Dom Helder Câmara) até esta passagem de nível. A partir daí passou a se chamar Ernani Cardoso até o Largo do Campinho e, a partir deste, Estrada Intendente Magalhães.
    Antes da Dutra era também chamada de Estrada Rio-São Paulo. Lembro-me quando era bem pequeno que via-se muitos estabelecimentos comerciais fazendo alusão a rio-são paulo. Via-se também muitos borracheiros.
    Muitos bairros dos subúrbios estão em franca recuperação econômica, principalmente os da Zona Oeste.
    Na foto observa-se, realmente, que está descendo para a Suburbana. Para o outro lado desemboca numa praça que bifurca para a Carolina Machado e Ernani Cardoso.
    Uma curiosidade a respeito do Mercadão de Madureira é que o atual foi construído em fins dos anos 50; o antigo mercadão é a atual quadra da GRES Império Serrano. Quem chegar atualmente na quadra desta escola ainda pode ver as baias que eram utilizadas pelos comerciantes da época.

  4. Bela foto: Muito interessante os comentários sobre a utiliza-
    ção de concreto protendido ou não na obra do viaduto.
    Presumo que depois dessas explicações , que o estádio do
    Maracanã tenha sido construido em concreto protendido.
    Com a palavra os estudiosos do assunto.

  5. Um outro acrescimo ai. Este viaduto sofreu expansão na década de 90, mas precisamente entre 1994 e 1995. Em 1994, quem vinha da Suburbana descia do viaduto em direção a Ernani Cardoso, porém com uma divisão que jogava ônibus e carros na Carolina Machado. Entre estes dois anos, foi construido um outro ramo do vidaduto em direção a Carolina Machado e a parte original em direção a Ernani Cardoso passou a ser inteiramente de subida. Aonde fica este atual braço do viaduto ficavam vários comercios e os pontos do 607 e outras linhas ficavam onde hoje fica este braço. Após a construção deste braço, foi construida um terminal de ônibus em formato de rodoviaria(algo que lembre o terminal da praça Mal.Ancora na praça XV, terminal este que deixará de existir nos próximos meses) nos dois lados do viaduto. Tais obras foram feitas pelo Cesar Maia no seu primeiro mandato. Nesta época eu tinha entre 13 e 14 anos de idade.

  6. Fala pessoal!
    Sou morador de Cascadura desde 98 e estou fazendo em meu Trabalho de Conclusão na faculdade de Design (Desenho Industrial) na UERJ, um projeto onde quero resgatar a memória do bairro, fazendo com que os moradores do Rio, especificamente Zona Norte, Cascadura, venham conhecer mais sobre esse bairro, que, de certa forma, foi muito importante p/ a história do nosso país.
    Quem tiver alguma informação, material gráfico, como videos, sites, fotos, ou textos, musicas, cronicas sobre o bairro….será de grande ajuda.
    Fico no aguardo pelas respostas.
    Obrigado e fiquem na paz!

  7. Pessoal, meu avô trabalhou nesse viaduto nos anos de 46 a 49 e morreu no ano de 50, infelizmente não temos muita informação dele pois era imigrante, por acaso alguém sabe o nome da empreiteira responsável nessa época por essa construção? Obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 4 + 9 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...