Vista aérea, Lagoa início dos anos 50

lagoa-foto-50s

Ontem no post sobre a Feira da providência falamos dos espaços intercalados da urbanização da orla da Lagoa, que refletia a descontinuidade das administrações em relação a área.
Se a adm. Paulo Sampaio alinhou e arruou praticamente toda a Av. Epitácio Pessoa, nos anos 20, as administrações seguintes foram concluindo a Av. Borges de Medeiros em etapas, muitas vezes afastadas décadas, uma urbanização da outra. O anel só se fechou de forma consolidada no final dos anos 60.
Nessa aérea, infelizmente de baixíssima resolução, enviada pelo Carlos Ponce de Leon Paiva, temos uma geral da Lagoa no início dos anos50, aparentemente o Hospital da Lagoa ainda não existia, ou estava em construção apagado nessa tarde que caía. O que dá para foto o período anterior a 1952/55.
Vemos que a Av. Borges de Medeiros tem apenas dois pequenos trechos urbanizados. Da praça da Piaçava, hoje fragmentada pela descida dos viadutos do Rebouças até mais ou menos a Rua Alexandre Ferreira, que dava diretamente na Lagoa e outro trecho entre as Ruas Gal. Garzon e J. J. Seabra, o resto carecia de urbanização e até mesmo de forma, como a área por de trás da Favela da Praia do Pinto, onde nessa época seus anexos as Ilhas das Dragas e do Guarda começavam a ser ocupadas.
Por de trás do Jockey as margens  também eram irregulares e a via que vemos tenuamente ficava por de trás dos muros do clube. Essa inconstância de urbanização além de criticada por urbanistas, como um impencílio ao saneamento da Lagoa fomentaram o incremento das favelas, principalmente a partir do meio dos anos 50, onde a cidade sofreu um dos seus ciclos de favelização acelerada, aliás período muito parecido com os dias de hoje. Embora desde os anos 20 J. Carlos em charges já denunciava a precaria condição dos favelados em volta da Lagoa, provavelmente nos núcleos inciais da Favela da Catacumba a Praia do Pinto, as mais antigas da região. Que teve pelos menos uma dezena, removidas em várias acões desde os anos 40, mas somente erradicadas no Estado da Guanabara.

8 comentários em “Vista aérea, Lagoa início dos anos 50”

  1. Sabia da falta de urbanização entre o Piraquê e o Jardim de Alá, mas esse trecho da Hípica eu não conhecia. Alguém sabe por que esse pedaço ficou assim? Atualmente existe aquela praça mal resolvida em frente à Hípica (que tem endereço na Borges de Medeiros apesar de estar na Lineu de Paula Machado), a igreja de S.José e o hospital da Lagoa.
    O interessante é que esses trechos não urbanizados são justamente os lugares onde atualmente não existem prédios.

    1. Certamente por serem trechos não loteados, com terrenos possivelmente de propriedade do governo ou entes públicos, ou então do Jockey que tinha seu acesso pela Gávea

  2. O Hospital da Sul América, atual Hospital da Lagoa, levou nove anos, de 1952 a 1959, para ser concluído. O primeiro grande obstáculo foi a remoção de uma favela com cerca de mil moradores, até então no local. A dDificuldade adicional foi a natureza pantanosa do terreno, que exigiu cuidados especiais para receber um prédio de tamanho porte.

    1. Luiz, aguarde o gancho de segunda (domingo a noite).por acaso vc sabe o nome da favela ? Meu índice das favelas só vai até a Piraquê

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 6 + 11 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...