Por motivos de obras nosso arquivo inédito, bem como os livros e demais materiais de consulta estão indisponíveis, portando faremos um repeteco de posts que foram realizados no fotolog desde o início do “foi um RIO que passou”, quando possível com os textos revisados e enriquecidos. O de hoje, publicado em Julho de 2005.

Um lugar que não existe mais.
Esse é o velho departamento de limpeza de Copacabana na rua Tonelero, onde hoje está a estação Siqueira Campos do Metrô em 1928.
Como o bairro essas instalações sofreram várias mudanças físicas e de uso com o passar dos anos.
O prédio à esquerda foi ampliado e ganhou um segundo andar, virando um posto de saúde, o muro a direita, foi no início dos anos 70 levantado para proteger o recém criado 19 BPM; na Siqueira Campos foi instalada uma garagem da inspetoria de conservação, e no final, ainda nos anos 70, os garis foram expulsos indo para a boca do túnel Major Rubens Vaz, lá na rua Pompeu Loureiro. Mas veio a obra do metrô e eles passaram a dividir o espaço com a turma da conservação, por fim o Metrô chegou nos pântanos dessa região de Copacabana e foram todos desalojados.
Sem contar que com a fusão da Guanabara o terreno foi desmembrado entre o estado do Rio e a Prefeitura, e o mais surreal, o batalhão que é estadual ocupava área que ficou municipal e a conservação que é municipal ficou em área estadual, e o pior até hoje a situação fundiária daquela região está confusa, pois o Metrô acabou com o velho PA que existia ali e os terrenos novamente estão indo para os entes públicos só que partindo do zero, junto com a área ocupada pelos imóveis da desaparecida rua Tenreiro Aranha.
Antes de ser tudo demolido só umas das coisas que aparecem nessa foto permanecia intacto, que era o pequeno portão de pedestres, com suas torrinhas laterais de ferro fundido apesar de muito maltratados e pintados de uma cor só eles ainda resistiam a tantas modificações.
Foto de Malta