Vemos aqui a capa e o interior da carteirinha da Assitência dos Empregados Municipais do DF que pertentenceu a minha tia-avó Izabel filha do Vereador Rocha Leão.
A Assistência foi uma das criações do prefeito Pedro Ernesto, se antecipando em pelo menos uma década à Vargas na criação do Servidores, pois foi criada ainda em 1930 pelo Decreto DF de número 4033. Sendo que  dois anos depois equiparou-se os Operários Muncipais ( lixeiros, faxineiros,Calçateiros etc..) aos mesmos direitos que possuiam os funcionários mais graduados, inclusive a estabilidade e o montepio, bem como os auxílios funeral e as licenças por morte e doença. Tudo isso ainda em 1932………
Criou-se então o núcleo do hoje desmontado  e demolido IASERJ ( um adjeto crime iniciado por Brizola, ampliado por Garotinho e executado finalmente por Cabral), bem como o do também sucateado IPERJ, hoje substituído pelo Rio Previdência.
É interessante por ter se oposto a inimigos perigosos e poderosos como  Vargas, a Igreja Católica, os Integralistas, Comunistas e Fascistas , perceber que, a curta experiência Autonomista no Rio de Janeiro, tão progressista, foi praticamente varrida da história do país e da cidade. Os programas educacionais, urbanos, sociais e educacionais do grande prefeito foram extintos com o Estado Novo e assim permanecem ainda hoje, quando muitos dos louros atribuídos hoje à Vargas no campo social foram implementados realmente na administração distrital, no início da década de 30 enquanto o caudílho flertava com Hittler, Musolini e os fascistas isso alguns bons anos antes de ser autoploclamado pai dos pobres.
A experiência da Guarda Municipal, que a posteiriore rendeu a reforma dos Barbonos na sua competência de segurança pública, da educação laica nos colégios públicos, do sistema de asistência jurídica gratuíta, da criação da rede municipal de saúde são marcos com o qual da cidade e o estado usufruem até hoje, e que foram criados num curto espaço de 06 anos. Dos quais a titularidade o povo desconhece.