Na nossa foto de hoje teremos um flagrante da manutenção dos jardins da Praça Edmundo Bittencourt no Bairro Peixoto nos anos 50.
O jardineiro rega as plantas em volta da estátuda do jornalista e proprietário do Correio da Manhã, na primeira urbanização que a praça possuiu.
Mesmo para uma praça dentro de um sub-bairro, e nova para os padrões da cidade a Praça Edmundo Bittencourt já sofreu significativas mudanças desde os anos 50, quando ganhou pela primeira vez, iluminação pública, piso em saibro, bancos, brinquedos para as crianças, arborização pública e rede de drenagem.
Mas muito da velha chácara de Felizberto Peixoto se mantinha, como o renque de bambus, que podemos ver à esquerda da imagem, e a Nespereira e a Mangueira no fundo da foto, estando essa última até hoje no local. A Nespereira com mais de 20 metros de altura tombou numa noite sem vento com sua base fragilizada por décadas de velas acesas em sua base.
A estátua hoje num vértice da praça ficava alinhada na parte central da praça, e foi deslocada pela primeira intervenção no início dos anos 60 para a construção de um rink de patinação e a mudança de local dos brinquedos. Nos anos 60  a praça ganhou também um bonde desativado, como aliás várias outras da cidade ganharam, para servirem de coreto.
Mas foi no governo Negrão de Lima que a praça sofreu as suas maiores transformações, ganhando chafariz, na época com 3 bandejas para a água, o playground semi-enterrado de forma circular, e a remoção do renque de bambus por questões de segurânça e manutenção, em seu lugar foi plantado um renque de Oitis, que por força do vandalismo nos anos 60 e 70 ( campo de pelada ) só ocupa 2/3 da praça nos dias de hoje com árvores que já começam a ficar frondosas nos seus 40 anos. Até hoje comenta-se no bairro que quem mandou construir o chafariz doando-o à municipalidade foi Abrahão Medina, dono das lojas O Rei da Voz e morador da Rua Décio Vilares.
Nos anos 70 a praça sofreu pequenas modificações como troca da iluminação pública para luminárias em vapor de mercúrio do tipo pião, remoção da 3A bacia do chafariz, e a calçada junto ao meio fio no padrão da antiga calçada da praia, logo após devido a invasão dos carros a praça foi toda cercada por fradinhos.
Nos anos 80 nova mudança na iluminação pública para postes de 15 metros com 4.000W de vapor de mercúrio cada, criação de 3 canteiros circulares junto à Rua Décio Vilares, criação de um gramado no local onde havia a terceira bacia no chafariz, cercado de grades posteriormente e a colocação de cerca no playground.