Jardim de Alah, anos 50

foto de andredecourt em 05/12/05

Jardim de Alah

Década de 50, foto do arquivo de família, foto tirada da esquina das avenidas Delfim Moreira e Borges de Medeiros

Comments (22)

edubt disse em 05/12/05 09:16 …
Não me lembro de ter ido no Jardim de Alah. Alias não nutro muita simpatia por esse lugar.
:-))
luiz_d disse em 05/12/05 09:17 …
As gôndolas imaginadas para sair daí e navegar pela Lagoa nunca passaram de um sonho.
Durante uma época havia os barquinhos.
A ponte de pedestres, à esquerda, cruzando o canal, já não existe.
Hoje, esta belíssima praça quase que só serve para local de passeio de cães.
http://fotolog.terra.com.br/luizd
photomechanica disse em 05/12/05 09:30 …
Passei minha infância neste lugar.
:-))
jornalistabr disse em 05/12/05 09:36 …
Uma pena que um lugar como este esteja tão degradado hoje em dia…
AG disse em 05/12/05 12:24 …
Andesíssimo, me diz uma coisa:
aquele cara que está ali em pé, na forma de estátua, é o Almirante Saldanha ?
Não sei porque guardo isso na memória e resolvi tirar a limpo.
Olhando o jardim de Allah assim penso: como essa cidade se degradou.
andredecourt disse em 05/12/05 12:28 …
Pois é Alvinho, acho que é ele sim, mas nõa tenho certeza absoluta…
Quanto a degradação da cidade, eu não falo nada !!!
right_rj disse em 05/12/05 12:36 …
continua lindo ainda hj… aqui do lado de casa… 🙂
lucia disse em 05/12/05 12:55 …
Alvinho????????????
Que intimidade!!!
:O
AG disse em 05/12/05 13:38 …
Lucia, só os amigos mais chegados têm esse direito. Portanto você amiga dileta desses nossos bares do coração, não faça cerimônia.
Curiosidade: o primeiro lugar que trabalhei nesta cidade (o segundo, vai) ficava numa rua na Cinelândia chamada Álvaro Alvim; isso não quer dizer que coincidências assim sejam raras.
Para mim, e para o velho Leon Hypolite Denizard Rivail, difícil é você encontrar uma coisa que não tenha nada a ver com outra.
Mesmo que você pegue o Reginaldo Rossi vai ver que ele tem um dado coincidente, por exemplo, vamos dizer… com o Chico Buarque.
Os dois têm avós pernambucanos.
Posso te chamar de Lucinha ?
jban disse em 05/12/05 14:31 …
Alvinho para lá, Lucinha para cá… Isso aqui está uma festa !!!
😛
AG disse em 05/12/05 15:03 …
Faaaaaaala Joãozinho,
quer dizer, Joãozão.
photomechanica disse em 05/12/05 15:15 …
Vixe…!
Ainda bem que o dia está acabando.
A casa que ficava na esquina da Prudente era de minha avó, e a casa que nasci era ao lado. Naquela época a Prudente acabava ai, não atravessava o canal.
jban disse em 05/12/05 15:28 …
Deve ser a brisa fresca que bate nas colinas de Santa Tereza… Mas isso é assunto para o sobrinho do Cardeal Bertoni, vulgo Dudico.
jban disse em 05/12/05 15:29 …
O Zé, a Prudente nunca atravessou o Canal… alí do outro lado é a San Martin.. 😛
Rafael Netto disse em 05/12/05 15:39 …
E já que tocaram no assunto, já conheci muita gente que chama a San Martin de “San Martã”, como se o general (argentino) fosse francês…
O Guia Rex não mostrava a ponte da Prudente de Moraes, só a da Visconde de Pirajá.
http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto
leflaneur disse em 05/12/05 15:48 …
Alvinho????
jban disse em 05/12/05 16:38 …
Alvinho é amigo de Dudico, os dois jogavam bola de gude com o Jô, no tapete do apartamento deste no Copa.
😀
Marcelo Almirante disse em 05/12/05 18:10 …
Avenida General San Martã
Avenida Bartô
Coisas do Leblon
Honorio Vargas disse em 05/12/05 18:22 …
Não sei bem o motivo, mas sinto que os médicos neurologistas nascidos e criados em Copa, tem algo contra o Principado do Leblon.
O Jardim de Alah, era um dos mirantes de onde se podia observar o Principado.
riobh disse em 05/12/05 20:07 …
Impressionante como o Jardim de Alah está degradado hoje!
Esse fotolog enriquece muito!!! Mto bom passar por aqui, e ver como era o nosso Rio de antes!
Grande abraço !!
andreleblon disse em 24/01/06 18:32 …
Muito maneira a foto!!!
Essa coisa de se falar San Martan, acho eu que seja falado, mesmo que erroneamente, mas por pessoas mais velhas devido a enorme influencia da lingua francesa no Rio e que hoje em dia foi trocada pelo ingles.
Nao precisamos nem ir a Barra para averigüarmos isso, basta prestarmos atençao nos nomes dos prédios do leblon e ipanema cosntruidos até o princípio dos anos 80 e dos novos prédios construidos agora.
Me lembro também que havia alguns “cul de sac” no Rio, hoje é rua sem saída mesmo, pelo menos isso nao virou “dead end street” , aí seria demais!!!

Um comentário em “Jardim de Alah, anos 50”

  1. Olá!
    Meu nome é Bia, sou fotógrafa e designer. Estou produzindo um livro comemorativo dos 60 anos do marido de uma cliente minha. Quero ambientar o capítulo sobre a infância dele com fotos do Leblon, bairro em que ele viveu até os 10 anos. Já achei muitas fotos, faltou apenas alguma foto do Hotel Jardim de Alah, que ele morava. Alguém já ouviu falar e tem imagens que possam gentilmente me disponibilizar? Sei que era na esquina do jardim de Alah com uma daquelas ruas. Alguém pode me ajudar? Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 10 + 15 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...