Av. Vieira Souto, 1951

andredecourt's foto van 3-8-05

Hoje o amigo Luiz Darcy postou em seu flog ( http://fotolog.terra.com.br/luizd ) uma imagem do poetinha andando por Ipanema, a Vieira Souto do que o poetinha anda não é a nossa, mas sim uma muito mais bucólica.

Coloco a foto do período que certamente a bela avenida serviu de inspiração para muitos.
Vemos a Viera Souto em 1951, com pouquíssimo movimento, jardins aprazíveis, onde podia se sentar no gramado e ficar à sombra dos coqueiros. O calçadão junto areia não existia, em seu lugar as dunas presas por vegetação rasteira de restinga.
Junto a vegetação tínhamos quiosques de sapé, onde existiam brinquedos com toda a infra estrutura da época, inclusive iluminação pública através de postes “modelo americano” de menor tamanho.
Se vocês repararem o posto de salvamento é ainda do modelo antigo, enquanto Copacabana já contava com postos mais compléxos desde os anos 20.
Mas aí veio o progresso……. os prédios baixos e as casas deram lugar à espigões, os carros começaram a parar em cima dos jardins, a vegetação rasteira foi pisoteada e morreu, nos últimos anos o que sobrava junto ao posto 10, foi sumindo graças aos eventos patrocinados pela prefeitura, por último até o canteiro central diminuiu.
Foto de Jean Mazon

Comments (15)

Marcelo Almirante 3-8-05 10:28 …
Mais uma “visão” tropicalista do J. Mazon, com bastante palmeiras para variar. De repente essas plameiras nem sejam nativas. Importadas da ásia.
O que salva Ipanema um pouco do tipo de “invasão” ocorrida em Copacabana, que se transformou numa grande Praça Mauá, ou no próprio centro da cidade, é a falta de bares a beira mar. Por graças, por sorte. Meu medo é que com os novos quisoques, a paz, que resta, seja perdida.
Por falar em quiosques, parece que tem um na foto, parecido com os atuais, onde, por sinal, sempre trabalham funcionários com jalecos encardidos.
andredecourt 3-8-05 10:31 …
Marcelo, os quiosques aí eram prá abrigo do sol com bancos, e não para venda de biritas e etc…
Luiz D´ 3-8-05 10:35 …
Havia brinquedos, junto a um quiosque de sapê, na altura do Jardim de Alá (gangorra, escorrega, rema-rema).
Eram simpaticíssimos estes bancos duplos na ilha que dividia as pistas.
O gabarito de 4 andares, derrubado num episódio nebuloso, pelo Prefeito Marcos Tamoio, era respeitado.
Felizes os que conhecemos e desfrutamos um pouco desta Ipanema paradisíaca.
Vejam o Vinicius lá em http://fotolog.terra.com.br/luizd
prfragoso 3-8-05 10:37 …
Dois veículos à vista (pelo menos em primeiro plano), e uma só alma, sentada à sombra…
se não foss a foto, seria difícil de acreditar que a Ipanema de 1951 fosse assim. Incrível!
tumminelli 3-8-05 11:20 …
Uma pena eu ainda estar fazendo a serie do caxias, senão seria um post triplo, achei uma foto aqui do Arpoador bem legal!
Gostei da foto, esse Manzon era show!
:-))
AG 3-8-05 11:26 …
Peguei um tempo além desse aí; diria umas duas ou três páginas depois. E não há dúvida, com todo o seu encanto, era muito fácil transformar Ipanema numa realidade mais idealizada do que nada.
Por exemplo, aqueles quiosques tão típicos, tão românticos, não passavam de um ajuntamento de pau e palha. Eram ilhas abandonadas que cheiravam a mijo.
Aquelas dunas que a gente vê ali, cobertas de plantas rasteiras, escondiam verdadeiras cidades de formigas graúdas que quando mordiam a tua família sentia lá em casa.
E por que estou dizendo isso ? Porque ultimamente o Luiz andou postando umas fotos e uns textos de Copacabana que me remeteram a uma certeza de que Copacabana representava mais do Rio do que Ipanema.
Ipanema era bom, não nego. Mas Copacabana era o espelho, o tambor, a tradução do que era ser carioca.
Vamos dar a César o que é de César.
Vamos dar a Ipanema o que é de Tom e Vinícius.
jason_1900 3-8-05 12:45 …
Olha o Ford 49 aí!
natureco 3-8-05 12:47 …
Essa foi a época mais bela do bairro 🙂
Abçs.
Luiz.
JRO 3-8-05 12:53 …
Me lembro destes bancos, um de costas para o outro.
O carro, um Ford da mesma época do Jasonlet?
Jro :-))
jban 3-8-05 13:08 …
Belo Ford 1949 – Meu pai teve um Azul !!
jban 3-8-05 13:11 …
Os coqueiros não são nativos do Brasil. Vieram com os portugueses da India e aqui prosperaram, como certos politicos corruptos, invadindo tudo pela semelhança do clima.
Leflaneur 3-8-05 14:15 …
Concordo inteiramente com o AG. Ipanema agora virou o que havia de mais carioca, quando a gente sabe que dos 40 aos 70 não havia pra ninguém, Rio de Janeiro era Copacabana. Ipanema era pra burgueses e para amantes do sossego.
Marcelo Almirante 3-8-05 15:36 …
Pois sim, Ipanema ganhou majestade depois da caída de Copacabana.
tumminelli 3-8-05 20:05 …
é curioso como na maioria dos filmes das decadas de 50, 60 e inicio de 70. Pouco se ve ou se fala de Ipanema em detrimento de Copa.
No filme “Rico Ri à Toa”, a personagem da hilaria Violeta Ferraz, fala algo assim qd fica rica:
“Compramos ATÉ uma casa em Ipanema”.
E no “Cronicas da Cidade Amada”, Ipanema aparece duas vezes.
De resto é Copacabana sempre.
:-))))
www.fotolog.terra.com.br/elkinha40 3-8-05 20:41 …
Olá André
bonita composição sua e de luisD
a vieira souto bucólica
olha os banquinhos….lindos
abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 7 + 9 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...