Rua da Ajuda com Largo da Mãe do Bispo

foto de andredecourt en 28/10/04

Alguns cariocas ainda acham as reformas de Passos erradas, mas basta dar uma olhada nessa foto do início do século XX tirada por Malta da chegada da rua da Ajuda no largo da Mãe do Bispo, para se comprovar que, a cidade era completamente inadequada aos tempos modernos .
Para se situar onde está o lampião, perto do carimbo na foto, temos o vértice da esquina da Av. Rio Branco ao lado do Tetro Municipal, essa rua que era uma das mais largas da cidade velha é praticamente da largura das calçadas da Av. Rio Branco.

Comments (44)

eduardorj 28/10/04 9:03 …
que manero, entao a esquerda da foto, eh onde esta a praca hj?
e essa rua eh que vai dar la na Lapa ainda, ou foi movida?
almacarioca 28/10/04 9:08 …
A Av. Rio Branco deveria ter sido preservada. As demais construções (inclusive o Convento da Ajuda) não precisariam permanecer.
andredecourt 28/10/04 9:08 …
A rua que vai para a esquerda era a rua dos Barbonos, hoje Evaristo da Veiga
brites 28/10/04 9:08 …
Sem dúvida q a cidade é um ser vivo e, como tal, sempre vivenciando suas renovações… Pena q grande parte delas sejam no sentido contrário ao do bom senso! []s
andredecourt 28/10/04 9:10 …
Concordo com v/c Paulo, ainda mais tendo-se áreas novas para se construir como a Pres. Vargas, Cidade Nova, e espalanada de Santo António !
umdiaumafoto 28/10/04 9:12 …
**************
Na Europa ruas como esta foram preservadas e se adequam perfeitamente aos tempos modernos !?
andredecourt 28/10/04 9:15 …
Algumas, mas o que seria de Paris se a cidade velha não tivesse sido posta abaixo ????
Grande parte do velho tecido urbano permaneceu, vide Ouvidor, Rosário, Teophilo Otoni, e toda a região do SAARA, embora agredida pela a Pres. Vargas
Flavio Deolanda 28/10/04 9:17 …
Era necessário e urgente se reformar o centro do Rio, mas a crítica a se fazer as reformas de Pereira Passos é que elas não prepararam o Rio para o século 20, a grande inspiração foi o trabalho do Barão Hausmann que preparou Paris para o século 19. Ou seja, uma reforma defasada em 100 anos. Indispensável? sem dúvida, mas poderia ter olhado mais pra frente.
PS: seu fotolog é maravilhoso, sempre passo aqui para aprender um pouco sobre nossa cidade.
zecarioca 28/10/04 9:35 …
Lembrei-me de seu fotolog estes dias, revendo os painéis que são expostos na Fundição Progresso, mostrando a evolução de alguns conhecidos pontos da cidade durante os séculos… É chocante como perdemos prédios e locais maravilhosos no Largo da Carioca, na Lapa e recebemos em troca monstrengos como o Edifício Avenida. ABraços.
Marcelo Almirante 28/10/04 10:01 …
O mais engraçado que falam do Pereira Passos , foi que ele foi o culpado pela processo de favelização da cidade. Quem temeridade. O Sr. Pereira passos sabia o que fazia e estava cercado também de uma eqipe brilhante. Uma das obras que não aplaudo em sua gestão foi o aterro da região da Francisco Bicalho e o porto tão próximo do centro da cidade. Quem acabou com o centro do Rio foram esses “espigões” sem escala humana. O centro não possui espaço para isso. Dizem que o centro anda deserto, mas na verdade ele anda entupido de gente.
garanhuns 28/10/04 10:35 …
Que foto incrível. É possível observar detalhes da construções, da portas. Perfeito mesmo.
Aqui no Recife temos muito disso, ruas estreitas e impossíveis de reforma, pois seria destruída toda uma riqueza arquitetônica.
andredecourt 28/10/04 10:37 …
Marcelo, o aluguel total da Torre do Almirante,tá certo que só para uma empresa, e a migração de empresas que tinham migrado para a Barra e agoram retornam é um claro sinal que o Centro é viável, só precisa ser bem cuidado, e para ter gente olhando detalhes desse “bem cuidado”é necessário que pessoas tenham residência nele, sou um grande defensor do retorno da moradia a área central da cidade, a região da Beira Mar é fantástica !
Keila 28/10/04 10:55 …
Engraçado, André: quando a foto abriu, eu podia jurar que o prédio da direita era o do Colégio Pedro II, na Avenida Marechal Floriano com a Rua Camerino! Depois que fui ler o seu texto…
Vê se não parece?!
tumminelli 28/10/04 11:05 …
O Rio era sujo, nojento, havia foicos de doenças como mlaria, pest, vriola, febre amarela… havia sim necessidade urgente de uma reforma. A população dos cortiços demolidos não quis ir para os suburbios, preferindo os morros e iniciando as favelas… Culpa do sr Bota Abaixo? Não creio, até hj o povo não aceita morar onde o poder publico determina… preferem as favelas, onde não pagam nada, agua, luz, IPTU. Assim é muito fácil!
alvarogabriel@openlink.com.br 28/10/04 11:29 …
Aproveitando a pega do nosso Pereirão, e pegando a palavra do Flavio Deolanda, gostaria fazer uma pequena defesa de uma figura polêmica mas que teve lá suas coisas chamadas positivas; falo de Napoleão III a quem, entre outros, os impressionistas devem muito por ter sido ele que “inventou” o Salon des Refusees para contrapor ao salão oficial que limava todos os Monet e Manet da vida. Graças a esse salão, que na verdade era uma tenda de pano perto do Grand Palais, a pintura ganhou novos rumos. Mas foi esse mesmo Napoleão III ( que até chegar ao poder fez tantas e boas que já foi comparado ao Collor, argh!) que chamou o então Préfet de la Seine, Georges-Eugène Haussmann e mandou que ele planejasse um novo centro de Paris praticamente arrasado pelas comunas. Eu diria, Flávio, que o Barão à serviço do napoleão III planejou Paris para o século 20, visto que essas obras foram iniciadas por volta da metade do século 19. E, se não fosse a famigerada querra de 1870 (aliás, mãe da 1ª e da 2ª grande guerra ) as obras teriam continuado.
Não tiro, longe de mim, o mérito do Haussmann mas o grande “maluco” dessa história e que deu alguns ótimos palpites ( e acima de tudo pagou a obra ) foi o sobrinho do corso.
Flavio Deolanda 28/10/04 12:00 …
Perfeito, Alvaro, em lembrar Napoleão porque a abertura de grandes avenidas tem lá o seu componente político para evitar trincheiras em ruas estreitas numa rebelião de populares, e nisso Napoleão pensou abrindo as grandes avenidas em Paris. Aliás, não sei se Lúcio Costa pensou também, porque Brasília é uma cidade anti-rebeliões, se pode juntar uma massa de 500 mil pessoas na esplanada dos ministérios que serão facilmente controlados, mas o que seriam meio milhão de pessoas em volta do Palácio do Catete?
andredecourt 28/10/04 12:10 …
É, as vias largas foram feitas para evitar uma nova Comuna de Paris
tumminelli 28/10/04 12:33 …
Psiu! Pssssssssiu!
Não é palpavel, mas é olhavel!
http://ubbibr.fotolog.net/deusass/?pid=8840876
:-)))))))))))
gerard_3 28/10/04 13:06 …
Boa tarde mocinho!
Qdo a Laurinha chegar da escola vou mostrar esta foto…sensacional !
Ela está começando a estudar diferença entre Rio antigo e o moderno…
Sei lá André,esse negócio de velcro está muito esquisito…o sobe desce já foi esclarecido,ele só subirá na sexta…acho que só funciona uma vez por semana…hahaha!
Bjócas!
De
O Tutu tá danado…fica passando por aí e mostrando estas coisas pra vcs olharem…
mapas 28/10/04 13:09 …
Agora que a Keila falou, também cismei: essa quina do prédio é mesmo muito parecida com a do CPII da rua Larga, onde estudei.
Uma curiosidade: li no Antolog, há algum tempo, que neste local morava a mãe do Bispo e quando alguém tinha alguma reclamação, se dirigia a ela para que intercedesse com a autoridade do filho “figurão”. Daí vem a expressão popular – Vá reclamar com a mãe do Bispo!
andredecourt 28/10/04 13:24 …
É parecido com o prédio do PII, mas não é ele, pois ele foi construído nas reformas de Passos, ou seja nessa época o prédio ainda não existia !
rbpdesigner 28/10/04 14:00 …
foto perfeita!!!!
belo registro, André
concordo contigo…
[]s
Leflaneur 28/10/04 14:25 …
André, as ruas largas foram planejadas para facilitar o avanço da cavalaria, posto que a França nunca mais teve sossego desde a revolução que derrubou a monarquia. Mas a Comuna só aconteceu depois da derrota do exército de Napoleão III, em 1870 em Sedan. Os trabalhadores invadiram o Palácio Bourbon, a Imperatriz Regente fugiu, e a Assembléia Legislativa foi forçada a proclamar a queda do Império de Napoleão III proclamando a III República. Um governo provisório é estabelecido para remover os prussianos da França. Novas derrotas e o governo começa a negociar a paz, o que os trabalhadores consideraram uma traição. Em outubro os operários e seções revolucionárias da Guarda Nacional tomam o Hôtel de Ville e sob pressão o governo promete renunciar e convocar eleições, enganando os trabalhadores. Em janeiro de 71 Paris se rende aos prussianos. Uma guerra civil entre operários de Paris e o governo instalado em Versalhes. Em março um conselho municipal é eleito e é proclamada a Comuna de Paris, que somente em maio foi derrubada, com a morte de milhares de pessoas, fuziladas no muro do cemitério Pére Lachaise.
andredecourt 28/10/04 14:36 …
Engraçado Lefla uma das imagens que mais me lembro dos livors de história é uma grande barricada em uma estreita rua de paris durante os sangrentos combates da comuna….
andredecourt 28/10/04 14:37 …
Cadê a nossa professora de história ???
alvarogabriel@openlink.com.br 28/10/04 15:08 …
Estou convencido: Deus existe e manda a conta. Digo isso porque tempos atrás dei uma sacaneada no Ricardo Amorim do Manhattan Conection que, falando de um filme que não me lembro o nome, confundiu alhos com bugalhos em relação à Comuna de Paris. Como no universo, tudo que se faz tem volta, cometi o mesmíssimo erro, isto é, botei a Comuna como fato anterior a 1870. Bem feito. Na verdade, o que eu queria dizer é que o centro de Paris era um agrupamento de vielas tortuosas, sujas e irrespiráveis, herança de um tempo medieval. As comunas ( e que os velhos camaradas do CPC da UNE me perdoem ) só vieram destruir muitas edificações, em 1871 no seus exatos 72 dias de poder. Isso prova que Leflaneur sabe muito mais do que eu que continuo perdendo muita ocasião de ficar calado.
guscar 28/10/04 15:14 …
André, segundo o comentário da Lotus com GNV, acho que o Colin Chapman deve estar se revirando no túmulo ou lançando do céu uns raios sobre São Paulo. Vai ver que é por isso que o Rubinho não ganhou a corrida (hehehe)
Leflaneur 28/10/04 16:18 …
Não é verdade, Alvaro, a confusão sobre as gravuras é geral, mas elas se referem, normalmente, às barricadas contra Carlos X e Luis Felipe, estas últimas feitas pelo proletariado, e que tornaram a capital da França num caos. Na ocasião a saída foi dada pela Assembléia, proclamando-se a II República e prevendo a existência de um presidente com mandato de quatro anos. Luís Napoleão, sobrinho do corso, foi o primeiro presidente e, através de golpe, implantou o II Império, tomando o título de Napoleão III.
Leflaneur 28/10/04 16:19 …
As barricadas das gravuras ficaram conhecidas como as jornadas de 1848. A Comuna foi pouco retratada, dava muito medo pensar naquilo… Era o tempo dos burgueses no poder!!!
Lefla 28/10/04 16:28 …
Ei, Alvaro, esse engano é natural, foram muitas as revoltas no período. Vc não deve ficar calado, sou contra, se não quem vai se calar sou eu, pô!
alvarogabriel@openlink.com.br 28/10/04 16:38 …
E nese papo de Haussmann acabamos esquecendo o “Perreirrá Passôs” que foi o nosso grande Barão visionário e peitudo. Hurrah! ao bom “Passôs”. E, olha Flaneur, você venceu: ficar calado nunca ! Mas vou tentar dizer “menas” besteira.
cand 28/10/04 18:00 …
nossa, isso aqui era uma ratoeira então ! mal dá pra acreditar que é o mesmo planeta… parece outro mundo… que coisa… abração
rockrj 28/10/04 18:31 …
André, se a rua da esquerda é a Evaristo da Veiga, então essa rua em frente seria a 13 de Maio ?
andredecourt 28/10/04 18:35 …
não é a rua da Ajuda, esse trecho dela não existe mais foi absorvido pelo traçado da Rio Branco
pacatatu 28/10/04 20:44 …
Ao contrario de outros prefeitos , ele sabia o que “botava abaixo ” . Beijos !
anapinta 28/10/04 20:45 …
pacatatu é ana
Marcelo Almirante 28/10/04 20:57 …
A esplanada dos ministérios é uma “releitura” do Templo de Amon em Karnac – antigo egito. Poderão ver alguma coisa disto numa pequena página que montei.
Marcelo Almirante 28/10/04 21:05 …
A página está quase pronta, faltando algumas ilustrações.
http://geocities.yahoo.com.br/zostratus7/capa.htm
sao_paulo 28/10/04 22:14 …
Uma pena que o que Pereira Passos fez, os outros destruíram em nome do “modernosismo”.
rbpdesigner 28/10/04 23:31 …
os freios de cerâmica são opcionais e custam US$ 8.150 nos EUA…
ah!
a matéria que a gente estranhou do Porsche Carrera S, tinha um trecho que estava errado…
vc continua certo…
[]s
lucia 29/10/04 9:13 …
Bom dia, Seu André!
tá faltando o seu decontrol
Você também sumiu. :))
Não gostou dos filtros do Tio Claudio/ fotart??
Cadê seu flog novo??
lucia 29/10/04 9:13 …
Ia postar uma foto das minahs costas, depois da tentativa de resgate do Boxere.
Mas achei que aquela ia ficar melhor… ;))
BJs
hjwery 1/11/04 8:24 …
Realmente nao tinha mtas possibilidades, fora toda a parte de higienizacao que ele fez.
Paulo 8/03/05 18:37 …
Esta fotografia é a esquina da Marechal Floriano com a Camerino e o prédia a direita é o Colégio Pedro II. O Colégio de Pedro II foi criado por decreto Imperial em 2 de Dezembro de 1837. A origem do Colégio Pedro II remonta à primeira metade do século XVIII,
“Seminário de São Joaquim, também por Provisão Eclesiástica, em 1739, sendo localizado em antigo casarão da Rua Larga, atual Av. Marechal Floriano.”