Av. Copacabana 1.100, ampliação irregular de loja


Muitos do que passam pela a Av. Copacabana logo após a Praça Sarah Kubistchek nas estreitas calçadas dos imóveis fronteiros, respeitando o PA da década de 30, não reparam que um dos prédios é mais novo que seus vizinhos dos anos 30, a confusão e a aparente “normalidade” induz quase todos a erro.
Pois a nossa foto de hoje mostra que a calçada do número 1.100, construído no final dos anos 50 e entregue por volta de 1959, foi tomada por um puxadão de alvenaria totalmente irregular. Seus proprietários certamente se abrigando no alinhamento do hoje demolido Ed. Santa Therezinha e do Ed. Lucy Luiz Cláudio, ambos da incipiente fase de verticalização do bairro, resolveram na marra ampliar as lojas da frente na cara dura.
O Edifício Dois de Maio, um daqueles exemplos especulativos dos anos 50 foi construído para abrigar pequenos apartamentos de sala e 1 e 2 quartos, que já em 1960 estavam sendo desvirtuados para salas comerciais e as lojas, imprensadas na antiga vila que existia eram vendidas com a observação que não se tratava de “mercadinho ou galeria” mas sim lojas independentes com sanitários próprios, mas outros anúncios salientavam suas pequenas dimensões. A insistência que os anúncios do prédio se repetiam mês a mês nos classificados do Correio da Manhã e do Jornal do Brasil mostravam que mesmo no  aristocrático Posto V (antes dos crackudos, descida da favela e “meninas” da finada Help que causaram e causam grande estrago nesse pedaço do bairro) o novo prédio estava encalhado.
A Sociedade dos Amigos de Copacabana denunciava o fato em Julho de 1060, mas parece que a  invasão da calçada foi tão bem feita, que com a inércia do EGB na confusão administrativa do fim da PDF que legou ao novo governo uma série de licenças de construções estapafúrdias, ou a interposição de alguma medida judicial,  ao vermos a obra hoje, parece que o prédio foi assim construído.

5 comentários em “Av. Copacabana 1.100, ampliação irregular de loja”

  1. Essas práticas são antigas no Rio. Porém nas regiões mais remotas e atrasadas como a zona oeste, onde o clientelismo é a regra, isso é comum.

  2. Isso faz parte da cultura do ser humano, em especial do brasileiro.
    A grande questão dessa história contada pelo André são essas desconfortáveis calçadas do RJ.
    São horríveis!!!!!!!!!! Além de desalinhada, são calçadas esburacadas, e estreitas.
    Próprio de um país e de uma cidade onde o crime do colarinho branco sempre prevaleceu além de uma cultura chula.
    Como há gosto para tudo, há pessoas que acham disso o máximo.

  3. Essa história e outras deste site provam que o processo que nos tornou o que somos agora, este lixão chamado Rio de Janeiro, não começou em 1964, 1985 ou em 2003, como pessoas de diversas vertentes políticas gostam de afirmar.
    A nossa deterioração foi contínua e gradual, e nunca parou de ocorrer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 15 + 2 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...