Rua do Passeio – Tempos de Neon


Essa imagem, apesar de não ser inédita, é uma das minhas preferidas, por ser em cores e ainda noturna. Além do mais os letreiros de neon davam um charme todo especial a cidade, ao contrário dos frios e empessoais letreiros de lona e backlight fluorescentes de hoje, ainda muitas vezes com a programação visual para lá de duvidosa, quem sabe o Led mude isso para um futuro.
A Rua do Passeio nesta época era um prolongamento da Cinelândia rumo à Lapa, de intensa vida noturna à época, vida esta que em muito difere da bagunça noturna que impera no bairro e que petulam-se de chamar de boemia.
Vemos na imagem os desaparecidos Cinemas Plaza e Metro Passeio, este último depois de ganhar nova sala fechado há décadas. O Plaza depois de anos de abandono tem seu prédio em um longo e arrastado processo de retrofit, onde possivelmente o cinema não será contemplado na nova programação do imóvel, mas pelo menos sava-se o prédio déco. Entre eles o letreiro da Pesseiolândia, bar e restaurante de tradição no local nos anos 50 e 60.
Na rua vemos os postes, que estão lá até hoje, desfalcados, faltando pedaços e depois de décadas de abandono reativados de forma precária apenas para iludir os  crédulos. Vemos que os postes franceses instalados na era Passos já estavam com seu terceiro sistema de iluminação, dos três combustores à gás, passando pelo globo único de tamanho médio, nos anos 20 e 30 e depois com os dois globos brandes, a partir dos anos 40 que davam a capacidade de comportar duas lâmpadas de até 1.000 W, embora possivelmente usassem duas entre 500 e 650W.
Ao fundo vemos o letreiro da Mesbla ainda com a programação visual dos anos 40.

9 comentários em “Rua do Passeio – Tempos de Neon”

  1. Este tipo de iluminação tinha um ar de mistério para mim quando criança passava por aí de carro, um Chevrolet 53 ou 54.

  2. O Juizo Universal, de 1961, no Plaza, parecia uma premonição do que viriam a ser os letreiros dos “cinemas” de rua 50 anos depois: Hoje os letreiros também anunciam a “Universal” e a falta de juizo!!!

    1. Vi Universal ali e também pensei nisso…
      Brabo é que cinema paga imposto (normal, né) e o que ocupa seu lugar não. Se houvesse ao menos algum abatimento ou forma de incentivo (já que as ruas precisam de movimento para não degradar), talvez houvesse mais de um numa zona conhecida como CINElândia. Acho estranho ter um cinema só no Centro…
      Eu estou tão habituado ao prédio do Plaza abandonado que vou até estranhá-lo ao ver recuperado. Mas pelo menos resiste à sanha que acabou com uns sobrados na Evaristo da Veiga…

  3. Nos anos 80 era moda usar o neon como decoração interna de casas em pequenas peças. Reproduções de objetos eram os preferidos.

  4. Este retrofit do prédio do Plaza está meio estranho. Grande parte da parte traseira do prédio já foi demolida, inclusive a estrutura do cinema (dá para ver da Rua das Marrecas). Ficou apenas uma capa fina com a fachada do prédio. Não acho que ela seja tão bonita assim para ser preservada, quando todo o resto do prédio já foi demolido.

    1. També reparei nisso, agora que tenho passado diariamente pelo local. Se retrofitarem a fachada art-decó, acho que vai ficar interessante. Quanto ao terreno ocupado pela sala de cinema, é muito valioso para não aproveitarem de outra forma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 8 + 6 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...