Rotunda de São Diogo – Demolição 1928

Em Outubro de 2006 postamos uma foto da grande Rotunda de São Diogo, na Cidade Nova. Há época tanto o site como nossos comentaristas tinham poucas informações a respeito desse desaparecido equipamento ferroviário, principalmente numa zona que sofreu grandes transformações. Mas semana passada o Carlos Bulhões inseriu no post de 2006 um link do ótimo site Estações Ferroviárias do Brasil (  http://www.estacoesferroviarias.com.br ), já utilizado por nós várias vezes como fonte de informações, principalmente sobre o Ramal do Rio do Ouro para apontar atualizações que esclareciam muito o porque de tão pouco conhecimento do grande equipamento.
Segundo o site não há informações claras de quando ela foi construída, mas já há imagens dela em 1880, junto ao seu prédio de apoio, que era muito parecido com a estação Central, mas por algum motivo operacional ela foi demolida em 1928, e seu prédio de apoio foi ao chão em 1950, certamente já na politica de terra arrasada da Cidade Nova. Acredito que o motivo de sua demolição foi a melhoria das instalações das Oficinas, no Engenho de Dentro, onde hoje temos o estádio do Engenhão.
Portanto além de agradecermos ao Carlos posto algumas das imagens da demolição da rotunda.


Podemos ver claramente que ela foi demolida com o sistema em operação, inclusive o girador sendo usado como pátio de manobras, a quantidade de máquinas mostra como era impostante o transporte ferroviário no início do séc. XX, transporte este que foi criminosamente abandonado a partir dos anos 50 daquele século e que hoje vem causando enormes prejuízos ao Brasil como um grande gargalo de infra-estrutura não só de cargas, mas de passageiros, inclusive dentro das grandes cidades e regiões conurbardas.

15 comentários em “Rotunda de São Diogo – Demolição 1928”

  1. Post duplo no ar!
    http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto:542
    Eu não entendo porque essa rotunda foi demolida tão “cedo”, já que em 1928 as locomotivas a vapor, que necessitam dessa instalação, estavam em seu apogeu.
    No mais, como já disse outras vezes não concordo com a ideia que as ferrovias teriam sido “criminosamente abandonadas” a partir dos anos 50. O fato é que desde o início nunca tivemos um transporte ferroviário eficiente, e sim linhas “soltas” traçadas quase na base do improviso, com baixa qualidade técnica e atendendo a interesses locais em vez de formarem uma malha organizada. Isso funcionou enquanto não havia concorrência. O que aconteceu a partir dos anos 50 foi a melhoria do transporte rodoviário, que tornou evidente a obsolescência das ferrovias.

    1. Rafa, isso deve ter a ver com a construção de novas oficinas em lugar menos “apertado” e a necessidade de expandir o número de ramais em paralelo que chegavam à Central. Provavelmente a demolição é da mesma época da construção das oficinas no Engenho de Dentro.

    1. Muito boa foto, falta só uma explicação razoável por até hoje, passados mais de 100 anos de sua instalação e 83 da demolição da rotunda o porque dele nunca ter sido retirado, hoje seus destroços viraram arqueologia ferroviária.

  2. Muito boas as fotos colocadas pelo Carlos e pelo Marcus,
    mostrando o passado e o presente.Quanto a opinião do Rafael
    não podemos cometer erros no passado e não corrigi-los no
    presente. As rodovias são úteis sem duvida mas um país com
    o nosso território imenso deve ser servido e bem por ferrovias
    modernas. O que existe é um lobby criminoso que não permite
    que se faça da ferrovia um meio de transporte decente.

    1. O problema é que por causa da geografia do Brasil (relevo, grandes distâncias entre cidades importantes) para que as ferrovias tivessem um desempenho equivalente ao das rodovias seria preciso um investimento muitíssimo maior. Não é viável sonhar com uma malha ferroviária nos moldes da Europa e Japão. A vocação da ferrovia no Brasil são os corredores de exportação, para levar grandes quantidades de cargas “sem pressa” por longas distâncias, e é nesse sentido que os investimentos vêm sendo canalizados, a principal obra recente no setor está sendo a Ferronorte.

    2. O ‘Rodoviarismo’ já utilizou melhor argumentação para se justificar.
      Se relêvo e grandes distâncias fossem impeditivo da existência de ferrovias a China, a Rússia, os EUA e o Canadá, por exemplo, não teriam ferrovias.
      A China recentemente implantou trem de alta velocidade enfrentando região montanhosa. O Brasil carece de pessoas que entendam de ferrovias. Boa semana para todos.

  3. Tenho duas fotos do aterro de 1967 tiradas do edifício onde trabalho, como parte de um catálogo de venda das unidades. Gostaria de enviá-las para sua avaliação. Como faço?

  4. Realmente como as ferrovias costumavam ser pagas com direito a terras ao longo da linha. Assim temos vários casos de disputas com os proprietários e ferrovias fazendo meandros no plano. Bitola estreita, impedindo maiores velocidades por causa das curvas (maioria delas desnecessárias).
    Com estes tipo de “planejamento” não havia como as ferrovias serem eficientes.
    Lembro que só de arrumar a entrada de Santa Maria-RS a finada RFFSA diminuiu a linha em 7 KM.
    Assim a concorrência com as rodovias foi desleal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 2 + 6 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...