Jardim Laranjeiras, anos 50

Nossa foto de hoje poderia participar de uma pegadinha, não pelo cenário urbano alterado, muito pelo contrário, quase todas as construções que aparecem estão de pé até hoje, mas sim pelo ângulo pouco usual que o fotógrafo  utilizou.
Na realidade ele se encontrava no cotovelo da Rua Stefan Zweig e fotografa parte do vale de descida do Carioca, em primeiro plano o bairro recém criado com o fim da Fábrica Aliança e do outro as encostas da Rua Cardoso Júnior.
A rua logo abaixo é a Teixeira Mendes, e mais abaixo vemos o largo de encontro das Ruas Gal. Glicério, Belisário Távora e Estelita Lins. Vemos também a Praça Jardim Laranjeiras e a bifurcação da Rua Cristóvão Barcelos, mais ao fundo as novas construções subindo da Rua Luis Catanhede.
Surpreende as grandes cicatrizes causadas pela exploração de granito no topo do Morro da Nova Cintra, à época ainda muito evidentes, que hoje resultam no grande talude por onde passa a Rua Cardoso Júnior em seu prolongamento rumo a Rua Novo Mundo, a parte superior nos dias de hoje já começa a ser envolvida pela vegetação.
A construção no cul-de-sac da Rua Teixeira Mendes é bem curiosa, inclusive pelo telhado “verde”, tudo indica ser uma das antigas caixas d’água da City.
Sem dúvida uma foto muito interessante.

8 comentários em “Jardim Laranjeiras, anos 50”

  1. André, acompanho seu fotolog silenciosamente há meses…É muito interessante e instrutivo!! Parabéns!
    Com relação à foto de hoje, a casa no final da rua Teixeira Mendes é propriedade da Família Farina há anos, desde várias gerações atrás e acredito jamais ter sido uma instalação da City…
    Abraço

  2. Estive nessa rua hoje, pois achei estranho ser uma instalação da City e perguntei a uma vizinha daquela casa. Foi o que ela me disse, com absoluta certeza e autoridade de quem vive lá há décadas. Abraço

  3. Por muito tempo frequentei o Jardim laranjeiras. Vários amigos moraram ali. Apesar disso precisei pesquisar no google maps para entender a situação da ótima foto.
    Interessante que a casa continua com o mesmo telhado verde e parece estar bem cuidada.
    O Jardim Laranjeiras com seus prédios separados e bem projetado é o padrão mínimo que deveria ser seguido em Copacabana, Ipanema etc.

  4. Como nascido e criado numa casa na General Glicério no número 26 mudado posteriormente para 82, hoje um edifício, não poderia me furtar a deixar um breve comentário. Inicialmente Parabéns, sobretudo pelas fotos em tamanho grande. Poucas são as pessoas que dão importância a isso na Internet. Esquecem-se que que ela não é só texto, mas também imagem, e muito boa imagem. No trecho quase que no centro da foto, onde aparecem 3 carros, um deles descendo a General, há um terreno vazio. Aí foi construído um edifício de número 163, no qual morei quando saí da casa, que infelizmente pelo ângulo da foto não dá para vê-la. Tenho muitas testemunhos de inúmeras coisas que aconteceram neste local. Abraços

  5. André, antes de mais nada, gostaria de externar minha admiração por seu blog. No tocante à casa que aparece no final da Rua Teixeira Mendes ela é realmente pertencente à familia Farina, e eu possso afirmar pois vivi grande parte de minha infância e adolescência na Rua citada. O verde do telhado deve-se ao fato de que alí era uma espécie de Jardim Suspenso, na verdade uma horta suspensa. Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 6 + 8 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...