Palacete Martinelli

O post de hoje, é conexo com o de quinta passada, onde mostrávamos a casa que seria conhecida como Palacete Martinelli anpos antes das extensas mudanças nela alicada por Virzi.
Ao vermos esta foto, uma das mais conhecidas do palacete e compararmos com as do post passado, podemos, se nos atermos, termos certeza que a casa é a mesma, curiosamente Virzi manteve os elementos mais agudos da torre da casa de Custódio de Almeida Magalhães, embora tenha trocado o telhado e dado a torre muitos metros a mais de altura. O grande arquiteto manteve mais alguns elementos da fachada, mas praticamente desconstruiu a casa que flertava em seu ecletismo com castelos da Baviera, afinal foi projetada por um arquiteto alemão. Foi dada a construção uma capa Art-Noveu, que beirava o gótico com pilares estreitos, estruturas com gárgulas de brotavam do teto em direção ao chão, uma impressionante escadaria de granito negro com detalhes em estuque, e uma nova varanda, angulosa, que contornava toda a casa.
O interior ganhava igual tratamento como podemos ver neste post ( http://www.rioquepassou.com.br/2008/12/10/casa-martinelli-anos-5060/  )  com tetos completamente ornados,  lustres exclusivos, claraboias e janelas e escadas com intensos trabalhos de serralheria que muitas vezes remetiam as gelosias do séc. XVIII.
Virzi como inúmeros outros arquitetos é esquecido solemente pela grande imprensa, que só pensa numa unânimidade burra, que já teve seu tempo de deveria entregar os projetos públicos a uma nova geração que vem se mostrando muito pouco. No Rio infelizmente pouca coisa nova, vindo de nomes novos surge, nem parecendo a efervecente cidade dos anos 10 até o início dos 70, palco de brilhantes projetos, muitos passados desapercebidos como seus autores, outros impiedosamente demolidos.

6 comentários em “Palacete Martinelli”

  1. Esse palacete me dava medo. Sempre que passava pela frente, imaginava-o cheio de morcegos. O lugar já estva desabitado e era lúgubre.
    Foi um absurdo a sua demolição.

  2. Esse palacete ficou habitado até quando? Eu queria entender esse processo. Os moradores saíam, fechavam as portas e ficava por isso mesmo? Era demodé morar em palacete? O custo era alto? O Palacete Martinelli chegou a ser invadido?

  3. Tenho fascinação por palacetes. Gostaria de ver fotos do seu interior ou fotos coloridas. Se possível gostaria de saber o número que tinha a este palacete. Pois adoro postar fotos antes e depois. Abraços!

    1. Opa BIANCA, boa noite!
      Após 43 meses a sua pergunta, acredito que sua curiosidade já tenha feito você identificar qual predio atualmente ocupa o antigo terreno do Palacete Martinelli, né?
      Se ainda não sabe, é o terceiro predio de n° 149, logo que entra na Av. Oswaldo Cruz, considerando o sentido pela Praça Nicarágua. É quase de frente para a Escola Municipal Alberto Barth, que mais antiga ainda.
      Algumas curiosidades sobre o “dente cariado” apelido que a construção tinha pelo excesso de ornamentos e esculturas. É que o palacete possuia 80 lustres de cristal Lalique (removidos antes de sua demolição e postos a venda em antiquários) mesclados a móveis Luís XV e Luís XVI.
      O Comendador Martinelli apreciava o Castelo de Neuschwanstein que pertencia a Luís II (Rei da baviera), ambos eram excêntricos.
      Espero que as informações tenham sido de avalia.
      Até mais!

  4. Me recordo plenamente quando, por volta de 1970, eu ainda muito novo, minha mãe apontando para o Palacete Martinelli e dizendo que eu deveria prestar a devida atenção porque, “breve esta casa estará totalmente demolida”. Do alto dos meus dez anos de idade fiquei encantado imaginando os tesouros que lá encontraria, visto que mais parecia um mundo de fantasias, tal qual se vê no cinema. Lamentável saber que hoje restou somente na memória da cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 7 + 11 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...