Edifício Líbano

Hoje teremos uma das pegadinhas mais difíceis já postadas por mim.
Aonde fica esse lugar tão agradável? Para facilitar a vida dos comentaristas afirmo que fica nos bairros que formam a CIL, como assim os chamavam os jornais O Copacabana e Beira Mar. A época é 1936/38.
Resposta a noite.

Como a imagem era realmente misteriosa coloco então a resposta, na forma de uma nova foto. Era o largo do Edifício Líbano na Rua Djalma Ulrich.
Na foto resposta vemos parte da fachada do edifício no seu esplendor déco, as varandas curvas ainda estavam todas abertas, bem como o revestimento da fachada original, reparem no detalhamento das varandas, com frisos que se intercalavam entre elas e os pavimentos.
O Líbano construído por dentro do terreno, junto ao Morro do Pavão, certamente era um dos prédios que obedeciam a legislação do Plano Agache, que permitia junto as encostas prédios altos, as vezes com mais de 10 pavimentos, Copacabana e Leme possume vários prédios com essa característica, todos muito valorizados, menos o Líbano e alguns de seus vizinhos.
Além de todas as casas que compunham um cenário tão interessante na primeira foto de hoje, com cercas vivas, que escondiam até mesmo a rua, terem sido demolidas paulatinamente a partir do final dos anos 40 isolando o prédio dos ares marinhos o Líbano é uma das vitimas da política habitacional do socialismo moreno.
A favela do pavãosinho era a menina de ouro às vistas do caudilho, e por isso foi uma das que mais cresceu sem controle nos anos 80, hoje os barracos descem a encosta rochosa que existe por trás do edifício e praticamente encostam nele. Muitos apartamentos simplesmente emparedaram cômodos fechando as janelas com alvenaria, outros as blindaram. Mas não é o suficiente, a “boa educação” da “comunidade” brinda o edifício com lixo, muito lixo que desce pela encosta, nos dias de chuva esse lixo desce pelo outrora simpático largo da primeira foto, inundando todas as ruas da região. Nos fundos do Líbano até uma perna já foi encontrada, sem seu ex-dono, logicamente.
O Líbano ganhou um novo apelido, Ed. Beirute, por estar literalmente dentro da velada guerra que nossa cidade está imersa, e o que poderia ser um dos melhores prédios da região é o monumento vivo ao populismo, passado e presente, que tem o nome de PAC
Fotos: Acervo Myriam Gewerc

25 comentários em “Edifício Líbano”

  1. CIL? Essa eu nunca tinha ouvido falar…
    Copacabana, Ipanema e Leblon, acertei?
    Quanto à pegadinha maior…. acho que é em C porque aparecem grandes prédios, e só Copacabana tinha isso na década de 30. O Leblon era quase rural!
    A pracinha é espetacular com esse calçamento que se prolonga pela viela. Parece que era uma vila, condomínio ou coisa parecida. Duvido que ainda exista hoje em dia. Mais que isso não faço idéia.

  2. Com a resposta enfática do Decourt começo a pensar que é no LEME, considerando que o bairro na época ia até a altura do Copacabana Palace.
    O prédio ao fundo mais próximo parece estar em construção, mais a informação daquela questão fundiária que o Andre falou há algum tempo, acho que podemos restringir o local.

  3. Também me parece coisa perto da Santa Clara. Mas tá impossível. Vou chutar:
    Uma travessa da rua Pompeu Loureiro, na época rua Quatro de Setembro.

  4. Cheguei perto… Creio que meu pai tinha uma conhecida que morava aí. Estive uma vez no apartamento dela…. enorme !!!
    Essa é a fachada da frente ou dos fundos ?

  5. Muito interessante, e muito entristecedor. Conheço bem a Rua Djalma Ulrich. Dá pena ver tantos imóveis desvalorizados pela vizinhança dessa “comunidade”. Eu mesmo já deixei de comprar um apto que achei ótimo, por causa da “vista”. Nem sendo barato, dá para encarar. E nem me fale naquele populistazinho barato do Leonel Brizola: aquilo foi um câncer que se instalou no Rio.

  6. Hoje, fazendo uma retrospectiva das últimas postagens(uma vez que tenho tido pouco tempo) deparei-me com o Edifício Líbano, que foi minha primeira moradia. Tenho duas fotos, uma bebê e outra dando os primeiros passos na frente do prédio. Coincidência, pois estou com essas duas fotos separadas para a qualquer momento visitar o edifício e, caso tenha acesso a ele, fotografá-lo no mesmo local.

  7. Andre,
    você tem as fotos do crescimento da favela proximo do libano. Fui morador do Anhanguera, na praça sarah kubitschek e o crescimento da favela é impressionante. Antes eram barracos, agora são predios. Olhando da Djalma para a entrada do libano, só se via a mata, agora existe predios enormes. Realmente um absurdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 4 + 4 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...