andredecourt's Foto von 21.08.06

Garagem de Bondes da praia de Botafogo.

Ela não chegava em tamanho ser comparada com suas irmãs do Largo do Machado e Humaitá, até mesmo com a de Copacabana..mas desempenhava seu papel no sistema de bondes da cidade.
Os mais velhos com quem conversei falaram que essa pequena estação além de uma venda de frutas, prestava auxílio ao bonde bagageiro, ali se guardava bagagens e cargas.
Talvez o amigo Marcelo Almirante como grande conhecedor do sistema de bondes da cidade possua informações mais claras sobre essa pequena garagem, vamos aguardar sua passada por aqui hoje.
Com o fim do sistema de bondes ela passou ao poder público e hoje em suas dependências funciona o Arquivo Geral do Estado do Rio de Janeiro, que como tudo que é estadual em nossa cidade está caindo aos pedaços !!
Como bem lembrado pelo amigo João Novello, nos anos 70 o Metrô teve sua sede aí antes do prédio de Copacabana ficar pronto.

Comments (20)

triunfodapintura 21.08.06 10:16 …
O contraste é óbvio.
Hoje em dia quem passa no local da foto é obrigado a caminhar numa calçada imunda.
Bom,… boa semna pra vc.
jban 21.08.06 10:24 …
A Companhia do Metrô teve sua sede neste prédio nos idos dos anos 70 e 80.
Rafael Netto 21.08.06 10:45 …
Não sabia que esse prédio tinha sido garagem de bondes. Achava que era só “casa de machinas” ou algo parecido.
Essa foto responde uma dúvida que eu tinha, por que o prédio ao lado é mais avançado que a antiga garagem, e também que os sobrados que fazem esquina com a Voluntários.
Aí pode-se ver que os sobrados tinham jardins, e o prédio foi feito no alinhamento deles. Depois o PA recuou e a calçada engoliu os jardins.
A pista também foi estreitada, a calçada hoje é muito mais larga em frente à antiga garagem.
http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto
Evelyn 21.08.06 10:49 …
A Irmã do Humaitá seria onde hoje é a Cobal, é isto?
edubt 21.08.06 10:50 …
Posso imaginar as condições do Arquivo Geral.
angemon 21.08.06 10:50 …
que linda que era, ein? Vc tem foto da estação do Largo do Machado?
…agora fiquei curiosa!kkkkkkk
bjs…muito bom vir aqui!
andredecourt 21.08.06 11:00 …
Tanto a Cobal quanto a escola estadual na esquina da rua Marques
luiz_d 21.08.06 11:08 …
Desta me lembro muito bem.
A bordo do Circular, bonde de nº 21, passava-se sempre por aí.
derani 21.08.06 11:36 …
Interessante é como os bondes entravam em locais aparentemente tão pequenos… o negócio é que a fachada era estreita mas longa a profundidade do terreno. Dava-se igual com ó prédio matriz da Light da rua Larga, hoje Centro Cultural da Light. A testada é relativamente pequena mas a profundidade do terreno é enorme, cabendo assim muitos bondes e evitando aquela imagem de “galpão”.
http://fotolog.terra.com.br/nder
Rafael Netto 21.08.06 11:37 …
Vamos ver…
Tanto a garagem do Largo do Machado quanto a da Praia de Botafogo pertencem ao Governo do Estado, sendo que a construção remanescente do Largo do Machado é o Instituto dos Arquitetos do Brasil (embora já tenha sido ocupada pela SMTU – ou seria Sec. Estadual de Transportes? – nos anos 70/80)
A garagem do Humaitá foi ocupada pela Cobal. Aliás o status daquilo ali pra mim é um mistério, porque a empresa Cobal (estatal?) não existe mais há muitos anos.
E a de Copacabana?
A Cobal do Leblon também tinha algo a ver com bondes?
http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto
Evelyn 21.08.06 12:16 …
Rafael( e Andre), o que leio e escuto falar é que onde hoje é a sede do I.A.B. era a casa de máquinas dos bondes(pode ser?) e a garagem propriamente dita seria na Rua do Catete, entre o Cinema São Luiz e o Restaurante Lamas( o Andre ja andou postando aqui), indo até a metade da Rua Machado de Assis, esquina com a atual Rua do Pinheiro*ex Beco do Pinheiro),onde já foi garagem dos ônibus da C.T.C., hoje pertencendo este terreno ao Metrô.
Neste caso a gargem dos bondes seria em forma de “L”?Teria entrada pela Rua do Catete e saída pela Rua Machado de Assis(que não sei se nesta época ainda,já se chamou Rua do Pinheiro)
_antiheroi_ 21.08.06 13:13 …
Parabéns pelo flog.
Gastei quase uma hora vendo seus posts.
Faz-me pensar q algo do gênero podia ser feito por São Paulo…
Rafael Netto 21.08.06 13:48 …
Evelyn, a antiga garagem ocupava (como hoje) a área entre a Machado de Assis e a Dois de Dezembro, por trás dos prédios da Rua do Catete, sendo o Beco do Pinheiro usado como acesso. O terreno tinha forma de “garrafão” e o prédio do Largo do Machado era o “gargalo”.
Se você for ali vai ver que o muro da Machado de Assis é antigo, e que na maior parte da extensão da Rua do Pinheiro o terreno era aberto, inclusive no lugar onde o muro antigo acaba, também acaba a calçada e o meio-fio.
Waldenir 21.08.06 14:23 …
André, boa tarde.
Volta e meia passo diante dessa antiga garagem, mas me parece ( estou dizendo de memória)que a abertura maior, que seria a passagem do bonde,não tem mais esse tamanho todo.
Quanto à porta e às janelas em arco, ainda estão do mesmo jeito.E a rusticação do primeiro pavimento chama a atenção.O sobrado de quatro janelas desapareceu, mas aquele outro maior, quase fora da foto, deve ser a churrascaria,certo?
Rafael Netto 21.08.06 14:31 …
Waldenir, acho que ambos os sobrados deram lugar ao prédio, que é razoavelmente largo, tem até uma galeria decadente embaixo.
photomechanica 21.08.06 16:23 …
E o bonde saia do trilho para entrar nesta garagem ?
:-)))))))
dani_bessa 22.08.06 08:21 …
Q BACANA!!!!! Sempre aprendo alguma coisa quando passo aqui!
Bjs
wilson 22.08.06 16:43 …
Me lembro que bondes entravam pela porta direita mas nao sabia que ali era uma garagem de bondes. Sempre achei que aquilo era uma especie de estacao de forca onde a energia eletrica era amplificada, reduzida ou estabilizada para a rede dos bondes. 2 ou 3 dinamos giravam dia e noite fazendo bastante barulho. As vezes um bonde ficava parado la dentro, ligado por uns fios. Eu achava que estava carregando as baterias ou coisa parecida. Um tipo de construcao em pedra, estilo ingles, parecido com a citi (esgotos) da Gloria ou da praia de Botafogo, entre o Guanabara e o Yate Club.
Rouen 11.09.06 21:13 …
Em 1970 eu era mecânico da Xerox e fui muito neste prédio consertar as máquinas, e já ficava fascinado com o seu porte.