andredecourt's Foto von 28.12.05

Roberto Tumminelli postou uma foto da velha Lapa, tirada rende aos Arcos, do lado do Passeio Público, onde hoje há aquela horrenda esplanada feita no primeiro governo Chagas Freitas http://www.flickr.com/photos/carioca_da_gema/77593896/

Farei então um post duplo com o amigo, só que a minha visão é do lado oposto dos Arcos, vendo o final da rua do Ricachuelo, e na extrema esquerda da foto a passagem da Rua dos Arcos, na época dupla.
Na primeira arcada normal, a partir da Rua dos Arcos, podemos ver uma nesga do prédio de apartamentos, que aparece na foto do Tumminelli, e que foi demolido nos anos 70.
Temos uma feira livre ocupando os dois lados dos Arcos, e no fundo o cassario de Santa Teresa, com o Convento das Carmelitas à esquerda.
A data aproximada dessa foto é início dos anos 30, segundo informação do colecionador, 1931.
Foto: Coleção Desmond Cole

Comments (20)

antolog 28.12.05 09:49 …
Post duplo!!!
Excelente!!!
A feira era dos dois lados?
leflaneur 28.12.05 10:04 …
Maravilhoso. A Lapa que segue abandonada, tendo ações da população que a resgata no braço e, ainda assim, não se move o Poder Público para ajudar.
jban 28.12.05 10:16 …
Bela foto seu André ! Se eu prestar bastante atenção, sou capaz de ver o meu avô por ai…
edubt 28.12.05 10:43 …
cara que mafuá!!!!
:-))))
luiz_d 28.12.05 10:57 …
De onde sai a escadaria do chileno?
http://fotolog.terra.com.br/luizd
Rafael Netto 28.12.05 11:08 …
Decourt, permita-me corrigi-lo…
você cometeu o mesmo erro que no post de 24/06:
http://www.fotolog.com/andredecourt/?pid=11000057
A arcada à esquerda era da rua Visconde de Maranguape. A Mem de Sá e a Riachuelo desembocam na mesma arcada dupla. A feira e o casario à direita estão no lugar do atual Circo Voador, e a foto pode ter sido tirada da Fundição Progresso.
Interessante são as aberturas na amurada do alto dos Arcos. Quando eu conheci (anos 80) era tudo fechado, a mureta era lisa. Na última restauração refizeram as aberturas, mas pela metade, elas não são vazadas, continuam fechadas por dentro.
http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto
andredecourt 28.12.05 11:16 …
Valeu Rafael, eu peguei a informação de um livro, como essa área foi tão esquartejada fica meio difícil precisar.
Quantoas amuradas, elas já foram abertas, foram construídas na época do início do transito de bondes, depois fechadas e totalmente encobertas, e agora com essa restauração ficaram aparentes, mas não mais vazadas como no final do sec. XIX
AG 28.12.05 11:19 …
Antigamente eu não sabia o que significava Lapa; ou Lapinha.
Até que um dia, em Recife, vi um Pastoril que é uma festa realizada entre o natal e o dia de reis, louvando o nascimentgo de Jeus. A festa nasceu em Portugal nos séculos 12 e 13 e, dizem, até Gil Vicente escreveu um auto para ser encenado.
Ali descobri que lapa é um buraco na rocha; e num buraco na rocha, contam, Jesus nasceu.
Na encenação toda cantada, tem um bloco de pastoras de encarnado, e outro de pastoras de azul (o pau come, algumas vezes entre as torcidas fanáticas do encarnado e do azul)tem a Mestra que comanda o cordão encarnado e a Contramestra que dirige o azul. E tem também o Anjo, o Velho Faceta e a Diana que é a intermediária entre os dois blocos e por isso seu vestido e feito de azul e de encarnado. Tem outros personagens como a Borboleta, a Jardineira e vários que não me lembro.
Quem puder assistir um Reisado não perca.
E o ponto culminate da festa é quando se queimam as fitas na lapinha e aí entram versos que têm tudo a ver com a nossa Lapa, cada vez mais destruída e menos preservada.
Vamos ver esta lapinha
Em cinzas se transformar.
Nosso presépio ditoso
Onde brincava o luar.
Tem ou não tem a ver ?
pikyto 28.12.05 11:37 …
Incrível foto!
Desmond Cole: com esse nome, o colecionador é certamente músico de jazz:)
Abs.
Rafael Netto 28.12.05 11:53 …
Então o aqueduto original não tinha essas amuradas no alto? Interessante…
aliás, ao passar de bonde por ali tem-se a impressão que o dito cujo foi feito sob medida para passar no aqueduto. Não sobram mais que poucos centímetros entre os estribos e as amuradas (que são bem grossas).
É impressão minha ou nessa foto aparece um bonde com reboque?
http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto
andredecourt 28.12.05 11:57 …
Bem possível Rafael, algumas linhas de Santa usavam bondes com reboques tenho uma foto da dec. de 60 que aparece um bonde com reboque nos Guimarães
Rafael Netto 28.12.05 12:21 …
Só pra arrematar… acredito que o Rio de Janeiro seja a única cidade do Brasil, e uma das poucas do mundo, a contar com uma construção como os Arcos da Lapa.
Pena que eles foram tão maltratados ao longo dos anos… até Pereira Passos aquilo era um mafuá, com casas construídas entre os vãos. Mesmo depois da remoção, ficaram espremidos no meio do bairro. Acho que o único ponto positivo da devastação chaguista foi recuperar a imponência dos Arcos.
dinho_sp 28.12.05 14:14 …
Qual foi, originalmente, a função dos arcos? Também são chamados de “aqueduto”. Levavam água de aonde pra onde? Água potável ou pluvial?
(pergunto demais??? rs)
🙂
leflaneur 28.12.05 14:47 …
Quando eu morrer
me enterrem na Lapinha
calça, culote, paletó
almofadinha…
jban 28.12.05 15:34 …
A escadaria do Chileno começa na Rua Joaquim Silva.
Rafael Netto 28.12.05 16:06 …
Respondendo ao Dinho:
O aqueduto trazia água das fontes da Serra da Carioca, através de Santa Teresa, até o chafariz que havia no Largo da Carioca, onde a população se abastecia. Isso no século XVIII.
Os Arcos eram a “ponte” que atravessava o vale entre os morros de Santa Teresa e Santo Antônio.
Em Santa Teresa, o traçado do aqueduto deu origem às ruas Joaquim Murtinho e Almirante Alexandrino. Tem fotos nos arquivos do fotolog que mostram ele ainda ativo, junto às ruas, no final do século XIX.
http://fotolog.terra.com.br/rafael_netto
Keila 28.12.05 22:17 …
Ecat!!! 😛
jason_1900 28.12.05 23:58 …
1) E as casinhas? Qual foi a época em que inscrustraram aqueles muquifos-habitações nos arcos? Acho que eles sobreviveram ao Pereira Passos, mas é só um pitaco…
2) Na última quinta-feira, fazia com o Nelson um périplo pós-expediente por espeluncas secretas da Joaquim Silva quando descobri que aquele trecho de rua em subida colado nos arcos (onde tocaram fogo numa loja de móveis, logo à direita de quem vem da Riachuelo rumo ao Largo) ainda leva placa de Evaristo da Veiga – apesar de o resto da referida rua ter ficado lá longe após as demolições e obras dos anos 70…
3) Quem gosta da Lapa e quer saber como foi o tempo de maior efervecência do lugar (pré-retomada atual) deve ler o Luís Martins. Freqüentador do pedaço entre a década de 20 e meados dos anos 30, ele teve dois livros republicados pela José Olympio em 2004. São “Lapa” e “Noturno da Lapa”, abordando as aventuras etílico-sexuais do então jovem escritor. Nos anos 40, a noite na Lapa morreu, muito por culpa da delegacia de costumes – mas a decadência vinha do fim dos anos 30… Hoje a jovem boemia da área ressurge com força total, após um ensaio nos anos 80 quando o Circo foi instalado por lá.
4) O chileno da escadaria é o Selarón (1947-). São dele as amareladas telas de pretas grávidas que podem ser vistas em quase todos os bares da Lapa e de Santa Teresa. Desde os anos 80 ele mora numa das casas da escadaria, continuação de Teotônio Regadas.
ramonesrj 29.12.05 13:08 …
essa seria a epoca do famoso Madame Satã né??