Bar Bem, São Conrado

Como prometido no nosso último post mostramos uma foto do Bar Bem, possivelmente o primeiro estabelecimento comercial de certa estrutura em São Conrado.
Construído nos anos 50 pelo pai da “emergente” Vera Loyola, Ignácio Loyola o Bar Bem vendia-se como um agradável ponto de recreio as margens das estradas turísticas no Distrito Federal e posteriormente Guanabara. Possuia um projeto muito interessante, de forma circular embasado em uma grande “bandeja” retangular que servia de varanda e terrace, além da correta distribuição do sol pela fachada com vidros na área do sol da manhã e pesados brises de alvenaria na parte virada para o sol da tarde.
O bar atraia quase todo o tipo de frequentador, das famílias nos dias de fim de semana, dos gazeteiros do Centro no meio da semana que fugiam do trabalho para beber longe de algum possível conhecido dos chefes, dos solteiros que pretendiam amaciar possíveis presas e dos casados que queriam discrição com os “casos”. Enfim um lugar carioca.
O bar funcionou na sua forma original até o final dos anos 70, quando aparentemente foi arrendado pelo empresário Chico Recarey, que lentamente foi desfigurando o imóvel. Embaixo instalou um restaurante de frutos do mar e na parte de cima, com acesso por uma lateral diversas boates foram criadas ao sabor da moda, entre elas uma das mais famosas dos anos 8o a Zoomp.
Já no séc. XXI o imóvel já completamente desfigurado, em nada lembrando suas formas modernistas foi demolido, ficando o terreno vago por alguns anos, ele hoje é ocupado por uma concessionária da Nissan.
O bar já apareceu nos primórdios do fotolog em uma foto do arquivo da família: http://www.rioquepassou.com.br/2004/02/17/1480/

34 comentários em “Bar Bem, São Conrado”

    1. Cara, vc falou tudo, época de ouro, Big Boy aos sábados na Mundial 860, alguns anos a frente o point passou a ser o Cassino Titanic (boite) na Estrada do Joá, ponto de partida para uma esticada, depois, no Drive in na mesma estrada.

  1. Luiz matou a pau : Bons tempos aqueles. A radio Mundial
    concorria com a radio Tamoio(musicas na passarela) e na
    Mairynk Veiga o famoso (hoje é dia de Rock).

  2. A falta da avenida na frente dá uma outra impressão do lugar, cheguei a pensar que era o restaurante das Canoas. Aliás parece que a Pedra da Gávea está perto demais…
    Nos anos 90 nesse lugar havia a boate Circus que ficou famosa pelo banho de espuma jogado sobre a pista de dança, que foi até tema de “funk” no início da fama desse estilo.

  3. Ah, que beleza, estava louca para lembrar o nome do programa da rádio Tamoio em que as músicas eram associadas a cores. O Marco acabou de dizer: Músicas na Passarela. Eu ouvia todo o santo dia. Obrigada Marco.

  4. E por falar em Radio Tamoio, alguém tem o mp3 de Echoes of Love (Don Costa), música que era quase sempre associada à Música Ciclamen? E quem era mesmo o locutor da rádio?
    Abraços a todos!

  5. Sugiro uma tentativa de sempre conseguir o nome do autor do projeto . Pena uma obra tão
    marcante ter tido tão insólito final. Lamentável.

    1. Mário, infelizmente certas informações como esta são muito difíceis de arrumar. Mas fazem parte da evolução do site, pois ele é feito como um grande hobbie. Quando elas são achadas ou nos informam nos posts seguintes sobre o prédio ou o arquiteto elas passam a contar.
      Abraços

        1. Possivelmente é de sua autoria mesmo, ele fez projetos muito importantes como o Rio-Sul. Há uma citação dele na revista Habitat sobre um restaurante em São Conrado, realmente a informação pode estar fechada.
          Obrigado Mario

          1. André, desculpe o tardio da respsta .
            Tudo indica ser projeto do Ulisses.
            Tomara que haja confirmação, mesmo que tão tardia qto. essa resposta . Desculpe, ñ foi descaso, foi
            esquecimento causado pela minha
            avançada idade – 85 anos .
            Espetro que considere e , outra vez,
            me desculpe.
            Ançs. Mário Bakaj.

  6. Bar Bem. Bem ali no largo de São Conrrado. “Frango Al Prino Canto”. É o que me lembro, foras os salchichões com farofa seca que comi por lá (sem duplo sentido, por favor). O ouvido pela Rádio Mundial nas madrugadas de 1972 à 1973. Quando eu ralava estudando virado para vencer o ciclo básico da facultade de engenharia. Integrais e equações diferenciais até hoje me atormentam diante de tão belo ouvido lugar no passado. Parabéns pela foto-recordação. Ela me fez muito bem.

  7. Li os comentários acima. É como embarcar na máquina do tempo. Como disse o Marco: “éramos felizes e não sabíamos”. Deixei o Rio por motivos profissionais no fim dos anos 90. Lembro-me que, ainda criança, nossa família freqüentava o Bem, em São Conrado. Na volta para casa em Jacarepaguá, o Quebra-Mar, o trailler da Tia Augusta, eram paradas obrigatórias. Parabéns a todos e, sobretudo aos idealizadores desse arquivo genial. Cláudio Heringer.

  8. EU TENHO MUITAS SAUDADES DO BAR BEM , PASSEI A MINHA INFÂNCIA EM SÃO CONRADO , O RIO ANTIGO ERA MARAVILHOSO E TRAGO RECORDAÇÕES DO LARGO DE SÃO CONRADO E DO RESTAURANTE ” BEM ” , E REALMENTE ERA O MAL NÃO FREQUENTAR O BEM, O BAR BEM ERA QUASE QUE UMA PARADA OBRIGATÓRIA PARA QUEM SEGUIA PARA A BARRA DA TIJUCA.
    QUE PENA QUE TUDO ISSO ACABOU , SÓ RESTA AS RECORDAÇÕES.

  9. Realmente fui um sucesso a Reggae Rock café, depois com outro nome Circus com inauguração do banho de espuma e com dj Tubarão, Será que teremos novamente a circus com Dj Tubarão.Eu estava presente todos os sabados e domingos. Hoje moro em Nova Friburgo, será que Chico Recarey poderia abrir uma danceteria aqui, nem que fosse para funcionar uma vez por mes com os dj Tubarão e Dj Malboro, com as musica de funk antigas e alguns cantores atuais se quiser. Abraços a todos os amigos que frequentaram a Reggae Rock e a Circus, saudades de todos vcs!!!

  10. Boa noite André,
    O Bar Bem não foi apenas de propriedade dos Loyolas.
    Meu pai, Wolfgang Stida, o Alemão, possuía 50% da socidade.
    Gostaria muito de poder ver mais fotos, pois não temos nenhum registro daquela época.
    Mais uma info: eles ( Loyola e meu pai), também eram donos da Boite Caniço- atual La Mole, na Barra da Tijuca.
    Tenho excelentes lembranças da minha infância nestes locais.
    Muito obrigada pelo túnel do tempo!
    Brigitte Stida

    1. Essa informação sobre a boate Caniço só procede se seu pai e o Loyola compraram a mesma de meu pai, Ernesto Insausti Sobrinho e do sócio Fernando Boscôli. Vou procurar me informar mas as fontes são escassas porque meu pai já é falecido desde 2001. E ele jamais comentou ou citou qualquer desses nomes Stida, Loyola e etc.

      1. Marcello, possívelmente tenham comprado sim pois passei toda a minha infância ( anos 60), indo ao Caniço aos domingos pela manhã com meu pai. Vc conseguiu alguma foto ou registro? Meu pai também faleceu há 20 anos e não possuímos nenhuma foto do local.

  11. Caramba, ontem depois de viajar pelo site, passei em frente a esse lugar e me perguntava o que tinha antes da boite zoomp, e que surpresa maravilhosa, hoje vasculhando encontro a resposta.
    Creio que a festa da minha formatura foi no Reggae Rock Café ou Circus, só lembro que existia o tal banho de espuma.
    Link do local atualmente https://www.google.com.br/maps?q=s%C3%A3o+conrado&hl=pt-BR&ie=UTF8&ll=-22.998637,-43.269319&spn=0.000938,0.001206&sll=-22.998536,-43.26931&sspn=0.240185,0.308647&t=h&hnear=S%C3%A3o+Conrado,+Rio+de+Janeiro&z=20&layer=c&cbll=-22.998631,-43.269417&panoid=a5FLxwKNmugh0I2z3UBY-g&cbp=12,34.08,,0,-2.7

  12. Sobre o comentário acima de Francisco Barros, uma sutil correção, o nome do prato servido no Bar Bem era “Galeto Al Prino Canto”. Eu era fã e assíduo ouvinte do programa

  13. Bom dia Senhores e Senhoras.
    É, eu sou filho de uma pessoa que fazia som em várias boites no Rio de Janeiro e Brasil afora.
    HUMBERTO (do som) era meu pai.
    Me lembro perfeitamente do Bar Bem, tanto que hoje busquei na internet alguma lembrança a respeito e me deparei com estes comentários.
    Eu me lembro muito bem do Dr. Ignácio e do seu filho Ignacinho ( não sei se vivo ainda ) que uma certa vez meu pai colocou uma ignição eletrônica em um carro importado e conversível dele, ignacinho.
    Nesta casa, como ficava a frente da praia de São Conrado, meu pai inovou com ” caixas ” de som dentro de manilhas de concreto, para proteger os altos falantes da maresia.
    Éramos assíduos na frequência ao Bar Bem, pois meu pai como técnico em eletrônica, todos os dias fazia um ” tour” pela zona Sul para checar os equipamentos das boites.
    Conheci vários operadores de som, que hoje se diz DJ, como Newton Duarte ( Big Boy ) Ademir Lemos ( Le Bateau ), Mounseir Limá, Ricardo Lamounier ( New York City ), Cláudio ( careca ) e tantos mais que não me lembro…
    Todas estas ” casas ” foram sonorizadas por meu pai.
    Bem, a frase escrita pelo outro colega Marco de Yparraguirre, éramos felizes mesmo!
    Um abraço a tods que viveram esta época maravilhosa, onde podíamos sair de uma casa noturna livre de assaltos e outras coisas mais…
    Cláudio ( Teresópolis )

  14. frequentei muito a CASSINO royale na estrada do joá anos 70 80 depois eu e meu primo Paulo xampinha demos som na PIANOS BAR coisa de louco aquela época, primeira namorada Teresa Magalhaes uma maravilha big boy radio mundial e depois a Radio Cidade enovadora com seus sond e locução A que saudade Tuninho karate

  15. Estou fazendo um filme de época e gostaria de usar essas e outras fotos dos anos 60. Neste caso específico, quem detém os direitos dessa foto do Bar Bem? Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 11 + 9 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...