Villa Gerson – A Copacabana da Leopoldina


Embora o Saudades do Rio tenha abarcado do tema já há um ano atrás consideramos que o tema dessa esquecida localidade na região de Ramos tem muito ainda para oferecer.
A Villa Gerson era uma realização do Coronel Joaquim Viera Ferreira que adquiriu nos anos 10 do século passado  os restos do antigo Engenho da Pedra, não só o que sobra hoje nos mapas da cidade, como outro pequeno naco de terra alinhado com algumas ruas já de Bonsucesso.

No litoral originário da região esse naco uma pequena península que se projetava além da antiga Av. Norte, hoje Av. Teixeira de Castro entre as Ruas Itambé e Marques de Oliveira, na época Rua 3 de Março. Toda essa pequena área extra da Vila Gerson ficou sepultada pela Av. Brasil e o complexo de acesso para  Ilha do Governador e depois parte do Parque União, essas ruas nunca chegaram a ser arruadas e seus PAs restam cancelados nas fichas da prefeitura.
Já a outra parte do pequeno bairro com o nome de Vila Gerson, filho do Coronel falecido precocemente e que além do bairro batizava a principal rua a Gerson  Ferreira, a única de fato arruada até a orla da antiga praia de Apicú, na época chamada de Praia Guanabara e hoje conhecida como de Ramos, que era juntamente com a Rua das Missões, hoje Rua Nossa Senhora das Graças os caminhos abertos diretamente para a orla no período de maior efervescência do loteamento nos anos 30 do século passado vindo estação ferroviária de Ramos

A extinta praça Dr. Miguel era o centro desse pequeno bairro, abrigava comércio, como esse armazém que ainda existe praticamente intacto.

Bem como a escola Dr. Nerval Ferreira, construída pelo Coronel nos anos 10, que era uma das maiores da Leopoldina, abrigando 800 alunos, a escola, muito ampliada e modificada, inclusive avançando sobre a área da praça chegou nos nossos dias

Dessas vias principais havia o serviço de uma linha de ônibus que transporta em seus ônibus lotados centenas de pessoas em horários a partir das 4:30 até a meia noite, ele fazia uma alça pela Villa Gerson, vindo da estação de trem de Ramos, descendo pela rua das Missões, Gerson Ferreira ia até o fim a área urbanizada, na extinta estrada do Apicú, entrava na Estrada do Eng. da Pedra e voltava a estação. Vemos o ônibus na esquina das duas primais estradas. Aliás o trajeto era muito parecido com a “ximbicas” já dos anos 50 e 70 que faziam o trajeto Estação-Praia de Ramos, como já mostramos num post ainda nos tempos do fotolog e sua correção anos depois.

O mapa de 1936 inclusive nos permite ver quais lotes já estavam edificados. A construção típica era o bungalow, que já saia de moda nos bairros oceânicos substituídos pelas construções no estilo Missões e Normando, mas que ainda tinham apelo nas fronteiras do Recôncavo de Inhaúma, mas haviam algumas chácaras construídas ainda nos anos 10. Poucos ainda sobrevivem a decadência do local e a mudança de uso dos terrenos a partir dos anos 40.

A região ainda abrigava remanescentes da época do engenho, como essa casa de arrabalde do séc. XIX no antigo Caminho do Norte, ocupada pela mesma família desde a década de 90 do séc. XIX, e possivelmente ainda mais antiga
Certamente por problemas de implantação da infra-estrutura urbana, como chegada da rede elétrica e de iluminação pública, telefônica, água encanada e pavimentação as primeiras ruas a serem arruadas e ocupadas foram as que se localizavam entre a Estrada do Engenho da Pedra e a extinta Estrada do Apicú, as outras como a Clotilde Ferreira, nunca foram corretamente arruadas e posteriormente desapareceram com o abandono do loteamento e seu principal algoz .

Vemos a Rua das Missões já asfaltada e a Gerson Ferreira, partindo da Praça Dr. Miguel  em obras de pavimentação com macadame alcatroado

Vemos nas fotos as tentativas de se facilitar o acesso dos automóveis a praia, como seguidos aterros e pavimentação de brita nas ruas Gerson Ferreira e Clotilde Ferreira bem na orla do bairro

O Coronel Vieira Ferreira, numa tentativa de dar impulso ao bairro trocou seu escritório da Av. Central para esse grande casarão da Rua Gerson Ferreira número 80, na esquina com a Rua Maria da Glória, onde dava expediente todas as manhãs, onde escrevia cartas para os jornais, brigava com seus colegas do Clube Militar, de onde era diretor da Assistência Social e tentava vender seu bairro, possivelmente os restos desse casarão senhorial ainda existam por debaixo desse galpão que mantém o exato alinhamento da velha construção
O promissor balneário o qual seu realizador muito incentivava como bailes, almoços, homenagens à autoridades, banhos a fantasia, bailes carnavalescos, a construção de um bar na praia com dancing, oferecimento de cadernetas de poupança as crianças residentes do bairro,  bem  como seguidas doações de terras ao município (escola Nerval de Gouveia), à Marinha (para um colônia de pesca e centro de estudos de piscicultura), para o Tijuca Tênis Club do qual era benemérito – morava na Tijuca, para a ABI, para os Centro de Cronistas Carnavalescos, a primeira colocada do Curso Normal de 1935, ao Sindicato dos Jornalistas para primeiro a construção de um retiro e já nos anos 40, na esquina com a algoz um grande terrenos para a construção do Hospital dos Jornalistas, a Caixa Econômica Federal. Quase todos estes terrenos eram localizados junto a Av. Guanabara, na orla da praia, a região menos desenvolvida do loteamento, pela demora da chegada do asfalto e da iluminação pública, curiosamente ao contrário do que ocorria em Copacabana.

Porém o final da década de 30 foi cruel com o loteamento e também com praticamente todo o litoral do recôncavo e suas atividades originárias a construção da Variante da Rio-Petrópolis, posteriormente chamada de Av. Brasil produziu com seus aterros agressivos e a segmentação do antigo tecido urbano, tal qual outra obra da Adm. Dodsworth – Av. Pres. Vargas-,  uma decadência acelerada da região como local de moradia e lazer e sua alteração para uma zona industrial, trazendo atividades altamente poluentes como refinaria, terminais petrolíferos etc..
A segmentação e o aterramento provocou o imediato esvaziamento de toda a região lindeira a baia, que trouxe a reboque poucos anos a abertura da via a favelização, nas antigas praias e zonas de mangue. Esse movimento fez a primeira vítima a pequena parte da Villa Gerson já em Bonsucesso  que desparece sem deixar nenhum vestígio, nenhum trecho de rua sobreviveu.
Já a outra parte, mas urbanizada e articulada com a cidade se manteve, mas a  grande avenida que engoliu a Estrada do Apicú e a Rua Clotilde Ferreira, bem como vários lotes em outras ruas, que acabaram causando seu desaparecimento, como a Raphael Ferreira, hoje um pequeno beco por de trás da Concessionária Mirian.
Ruas como a Coronel Alvares da Fonseca e Professor Alves Moreno foram engolfadas pelo abandono e favelização da área, no mapa dos anos 50 elas não aparecem mais. Desse trecho do bairro só sobram a Gerson Ferreira e a Avenida Guanabara, com o litoral bem afastado do original.
A Rua Ruth de Souza, mesmo do outro lado da Av. Brasil é o caso mais emblemático, engolida por um complexo de galpões, que curiosamente prestam serviços a prefeitura e com um remanescente de trecho fagocitado por uma pequena favelinha.

Vemos inclusive no muro do galpão na esquina com a Av. Brasil o resto da curva de alinhamento da Avenida com a desaparecida rua

No início dos anos 40 várias tentativas do Coronel Ferreira Vieira de vender seu bairro, inclusive uma certa submissão ao governo Vargas e seu Estado Novo, que curiosamente destruía o projeto da Copacabana de Leopoldina.  Pelo que percebemos os Coronel falece em 1943, e aí a Villa Gerson praticamente desaparece dos jornais da capital, aparecendo apenas em alguns anúncios de leilões judiciais de terrenos até o final da década, virando um desconhecido passado de grande parte dos Cariocas
 

19 comentários em “Villa Gerson – A Copacabana da Leopoldina”

  1. Parabéns André, pelo trabalho sério que você sempre realizou e que continua realizando.
    Realmente nunca tinha ouvido falar da chamada Villa Gerson. Eu já ouvi dizer que naquela parte de Ramos aonde funcionava da antiga Borgauto, após a Estrada Engenho da Pedra em sentido de descida da Avenida Brasil, era conhecido como O Suvaco de Cobra.
    Por acaso o coronel Ferreira é aquele que aparece ao lado de um senhor de terno e gravata, e chapéu em uma das fotos?
    Outra coisa: Já que você falou na Estrada Engenho da Pedra, nessa mesma via, só que perto da Rua Noêmia Nunes, existe um conjunto completamente abandonado, se é que ainda está de pé, e muito antigo, com talvez mais de 100 anos. Acho que era da Marinha do Brasil. Você tem fotos e histórias sobre esse conjunto?

    1. É ele mesmo, aparece em várias fotos, figura ativa, mas que criava ruídos no tempo de caserna, tinha pinta de positivista. O mais interessante é que desaparece em 1943, não há anúncio fúnebre nem obituário. Sabemos que ele faleceu por uma publicação de uma neta numa coluna de carnaval já em 1944.

    2. Boa tarde! Moro próximo ao conjunto citado na Noêmia Nunes, mais precisamente a 50 metros. Infelizmente, o local continua em pé e a abandonado. Entretanto, eu não tenho nenhuma história sobre o lugar.
      Fico muito triste pela aparência e situação que área está. Além da violência e tráfico de drogas, várias invasões ocorreram e continuam a ocorrer.
      André, por favor, poderia descobrir o que eram os conjuntos da Noêmia Nunes?
      Parabéns pelo trabalho. Eu sou fã de história e tais relatos me faz sonhar.
      Parabéns!

  2. Incrível história de um empreendimento que no meu entender tivesse mais apoio do governo teria dado certo e pelo menos talvez não tivesse tornado essa região tão esquecida e abandonada até os dias de hoje.
    Realmente uma aula de história sobre a ex cidade maravilhosa que 90% dos cariocas da gema como eu desconhecem.

  3. Parabéns por esta postagem. Muito interessante. Publiquem sempre fatos ligado aos bairros da Leopoldina. Parabéns a todos.

  4. Olá!Parabéns pela iniciativa!
    Os cariocas precisam aprender dos seus sub bairros!
    Gostaria de saber aonde você achou essas fotos e planta?
    Forte abraço!
    Miguel

  5. Seria motivo de uma reflexão que aquela região nunca poderia uma “Copacabana da Zona Norte” e própria Baía da Guanabara nos anos 30 já dava sinais disso. De fato era uma região cujos trilhos alcançavam a orla marítima por trens , inclusive de passageiros, pelo ramal do Arará, apesar de o ramal de “Mariangu” da Rio D’Ouro ter sido desativado por volta de 1928. A abertura da “Avenida Rio Petrópolis”, futura Avenida Brasil, sepultaria qualquer viabilização de uma “Copacabana dos Subúrbios”. A favelização da região da Praia de Ramos, parque União, Maré, e Nova Holanda e iniciada nos anos 50, ocorreu graças à um advogado de nome Antoine de Magarinos Torres, uma espécie de “Paladino dos favelados”, mistura de “Tenório Cavalcante e Marcelo Freixo”, que além de promover a ocupação dos locais ainda era o advogado dessas pessoas. “Embora ainda não tivesse um tráfico de drogas “em nível industrial”, o clientelismo e a “sacanagem urbana” estavam de vento em popa…

    1. Daí você observa bem da relação promíscua entre o Poder Público, especialmente do Judiciário, com figuras como esse citado advogado.

    1. A favela do Borel, que existe desde 1931, esteve em vias de ser removida nos anos 50, mas graças aos esforços desse cidadão ela acabou permanecendo. Por causa dessa inoportuna atuação a Tijuca mantém até hoje esse “tumor cancerígeno” causando insegurança, desvalorização dos imóveis, e toda a violência e desordem pública que são peculiares em antros criminosos.

    2. A favela do Borel, que existe desde 1931, esteve em vias de ser removida nos anos 50, mas graças aos esforços desse cidadão ela acabou permanecendo. Por causa dessa inoportuna atuação a Tijuca mantém até hoje esse “tumor cancerígeno” causando insegurança, desvalorização dos imóveis, e toda a violência e desordem pública que são peculiares em antros de criminosos.

  6. Se entrarmos no campo do “Se”, muitas conjecturas poderiam ser feitas caso os rumos do Rio de Janeiro seguissem outro curso. “Se a baía da Guanabara não tivesse sido poluída, se a avenida Brasil fosse construída com planejamento urbano correto, “se não fosse permitida a favelização da região, “se houvesse saneamento básico e galerias pluviais adequadas, “se tivesse sido implantado na Avenida Brasil um transporte de massas sobre trilhos, e “se o povo e os políticos tivessem vergonha na cara, certamente a Vila Gerson teria dado certo e ensejaria a construção de outras semelhantes. Ainda nos anos 60 seria possível urbanizar a região e promover um ordenamento urbano. Mas não o fizeram e vieram os Brizolas, as Beneditas, os Garotinhos, o tráfico , as favelas da Maré, o abandono das indústrias e dos depósitos de mercadorias, e o resto todos sabem. O Rio perdeu uma grande oportunidade de “ser civilizado”. Acredito que ainda o será, apesar da doutrinação maciça e da alienação de estudantes a partir dos anos 80, do aparelhamento dos quadros das administrações públicas das três esferas, do judiciário, e do MP. Com sorte, pacificamente…

    1. Joel. Você é uma pessoa muito otimista e eu te parabenizo por isso. Infelizmente não bebo dessa água. Sou muito cético de que o RJ e o Brasil jamais darão certo em hipótese nenhuma.
      Espero que eu esteja muito errado de fato. Que isso aqui venha a melhorar.
      Até porque, são tantas coisas que está ligado com a questão, que não é somente algo específico no e do RJ.
      Até mesmo interesses externos influenciam e ditam das normas se isso aqui vai ou não para frente.
      Porém, se isso vier a acontecer, duvido que algum de nós estará vivo para ver se concretizar.

      1. Wolfgang, sou um perseguidor de meus ideais e embora não seja uma tarefa fácil, vejo uma luz no fim do Túnel. Existem muitos “elementos doutrinados pela esquerda entre nós” e de origens diversas. Pessoas sem visão correta da vida, dos valores morais e republicanos, e da história do Brasil. Alguns cultivam “hábitos estranhos” como a “Cannabis sativa” ou são adeptos dos “costumes de Tibério”, moram tanto no Baixo Leblon como nos “sertões de Jacarepaguá”, mas são um fenômeno pós 85 e suas presenças patéticas tendem a evaporar tal como sua ideologia que só funciona com o “dinheiro dos outros”…

  7. Olá!Parabéns pela iniciativa!
    Os cariocas precisam aprender dos seus sub bairros!
    Gostaria de saber aonde você achou essas fotos e planta?
    Entre em contato comigo tenho alguns documentos que acho que você vai gostar…
    Forte abraço!
    Miguel

Deixe uma resposta para Marco de Yparraguirre Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 5 + 14 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...