Terrace do Copacabana Palace, primeira metade dos anos 30

Nosso fotógrafo estava na antiga Terrace do Copacabana Palace, extremamente modificada quando das obras de modernização do final da década que criaram a piscina e a pérgola como hoje conhecemos.
O contorno do hotel era feericamente ornado com dezenas de luminárias sendo duas com ares monumentais, em obeliscos de concreto que emoldurava a entrada principal do estabelecimento. Os terraços abrigavam mesas e cadeiras para os hóspedes apreciarem a praia.
Um pouco mais ao fundo constatamos que o quarteirão entre as Ruas Rodolfo Dantas e Duvivier ainda estava praticamente vazio, existindo apenas a casa da Família Duvivier, uma das grandes mansões pioneiras no bairro. Na esquina oposta tinhamos o Ed. Abreu, com suas surpreendentes linhas modernas, não obstate de ser um dos prédios mais antigos da orla e já demolido.
Fechando a foto no Leme vemos os edifícios Erlu, na esquina da Rua Martin Affonso em sua discreta arquitetura art-déco de muito bom gosto e sempre valorizada por seus moradores e ainda em construção o Ed. Tietê que ainda não contava com seu marco na paisagem do bairro suas enormes 3 caixas d’água que até hoje podem ser vistas do Posto VI.
Agradacemos ao amigo Carlos Ponce de Leon de Paiva o envio desta imagem.

9 comentários em “Terrace do Copacabana Palace, primeira metade dos anos 30”

  1. Muito boa a foto!
    O prédio branco lembra muito dos prédios de hoje!
    Como devia ser bom ir a Copa nessa época!

  2. A fotografia é belíssima!
    Como devia ser agradável frequentar esta varanda, com uma vista dessas e com poucos edifícios altos.
    Meus avós foram uns privilegiados por terem podido desfrutar disso tudo.

  3. Incrivelmente modermo o edificio Abreu, sem dúvida.Quanto as caixas de água do
    ed.Tiête são enormes porque na época faltava água na cidade (até hoje em alguns bairros ). Lembro-me que meu padrinho mudou-se pra Copa nos anos 50 e faltava muita água por lá, inclusive era muito ruim pra beber.

    1. Marco, até hoje em alguns apartamentos antigos há caixas d’água de 250 e 500 litros, hoje desativadas, dentro dos apartamentos, notadamente nas áreas de serviço. Constituiam um back-up para emergências quando se faltava água principalmente nos anos 50, quando o bairro cresceu sem controle e a rede de abastecimento não conseguia atender a todos.
      Haviam outros expedientes como grandes latões de inox com bombas como das lanchonetes para se guardar água potável e uma segunda geladeira ( normalmente pequena) a querosene, ou recepiente térmico ( Kolemann ou Thermos) para se trocar os gelados quando faltava luz, além de pelo menos um lampião a querosene para cada cômodo e também um pequeno fogareiro a gás. Esse era o kit classe média alta moradora de Copacabana nos anos 50 e 60

  4. Bem lembrado Andre, tinha esquecido dos lampiões que meu
    padrinho usava quando faltava energia. Os lampiões eram da
    marca Aladim totalmente em vidro e à querosene. Havia uma
    marchinha carnavalesca que dizia: Rio cidade que me seduz de
    dia falta água e de noite falta luz.

  5. Linda a foto…
    Também me impressionei com o Ed. Abreu, dá a impressão até de ter os “buracos de ar condicionado”, que óbviamente não existiam nessa época.

  6. Uma pena essa sede de modernização que destruiu a varanda original do Copa, com suas colunas e lampiões que aparece nessa foto e em várias outras desse período. Por que será que fizeram isso de fato? O velho problema brasileiro com o passado? Por que não preservar o desenho original? Se alguém souber o motivo…

  7. André, nos conhecemos no dia 18 no clube de engenharia, sou das SAC (Copacabana) e comentei com vc sobre as fotos do Copa Palace antes da construção do anexo, lembra? me manda uma msg com seu email para trocarmos mais ideias, abç
    Daniel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 11 + 11 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...