Hoje, em mais uma foto de Ferreira Júnior, temos uma imagem do gigantesco hidro Dornier DOX, fundeado na Enseada de Botafogo em seu voo de propaganda em 1931.
O enorme DOX era o que se imaginava ser o futuro do transporte aéreo de passageiros, grandes hidros. Isso se refletiu até na construção dos terminais do que seria o aeroporto Santos Dumont, o terminal de hidros foi construído prioritariamente face ao terminal de passageiros para os aviões de trem de pouso, a época pequenos, transportando poucas pessoas em voos curtos, o oposto dos hidros da Panan e do Sindicato Condor, que faziam voos transcontinentais.
Mas o advento da II Guerra demostrou que os aviões de trem de pouso eram aerodinamicamente mais eficientes que os hidros, sendo aperfeiçoados de forma notável durante o conflito, encerrando, após a guerra a saga dos grandes hidroaviões para transporte transcontinental de passageiros, sobrevivendo os hidros em pequenos aviões como o  simpático Catalina.
A foto, quando vista em grande definição (possível de se obter clicando na imagem) dá uma idéia do tamanho do monstro de metal, notadamente o tamanho das asas e dos grandes motores duplos, onde podemos compara-los em escala com as pessoas que aparecem na imagem. O grupo na asa e os mecânicos trabalhando no topo da carlinga, junto aos motores.
A foto também nos revela uma série de pequenos apêndices aerodinâmicos, no topo da aeronave e no profundor da cauda.
Agradecemos ao amigo Sidney Paredes o envio das fotos de seu padrinho, para a alegria de todos.