foto de andredecourt en 28/02/08 

Essa foto é resumo do fake em nossa cidade, tudo que vemos nela é uma tentativa de se repaginar o antigo ou algo que já existiu em nossa cidade.
Dominando a foto vemos o Paço Imperial totalmente deformado pela reforma neo-colonial de 1928 que destruiu toda a volumetria da construção ao trocar as platibandas da segunda metade do séc XIX, por uma continuação do corpo central do 3 andar em toda a construção. O frontão que não deveria ter a concorrência de outro piso tão próximo a sua altura ganhou um coroamento totalmente irreal e exagerado alem de óculos nas janelas completamente diferentes dos coloniais legítimos, representados nas janelas inferiores, além de esquadrias estilizadas. Para completar todos os arcos de cantaria foram pintados a tinta óleo e a cor do austero prédio colonial trocada para o rosa, completando luminárias que nunca conseguiriam ser acesas ou abastecidas por óleo de baleia, sem pelo menos o auxílio de uma grande escada.
Tal mutiliação foi feita com sucesso na velha Casa do Trem, hoje MHN, para a Expo de 1922 e ainda persiste nas suas laterais viradas para a Av. Gal. Justo e a Travessa de Santa Luzia, pois só a sua frente foi restaurada ao formato próximo ao colonial legítimo.
Já o Paço teve mais sorte, no início dos anos 80, o prédio foi cuidadosamente restaurado, e sua forma externa voltou ao que podíamos encontrar no início do XIX, voltando o prédio ao colonial legítimo não a um arremedo. O interior muito modificado ao longo dos anos, principlamente no séc XX pelos Correios foi restaurado ao máximo possível, mas murais nas paredes, talhas e outros detalhes foram perdidos.
Na frente do prédio um dos postes de iluminação, imaginados na cabeça de alguém da antiga CEE ( Companhia estadual de Energia, hoje Rio-Luz ) para simular as antigas luminárias incandescentes nas áreas reurbanizadas durante o segundo governo Chagas Freitas, principalmente pelo Metrô. Apesar de usar elementos já usados em postes antigos, ele mistura pedaços só usados em postes de combustores a gás ( a parte com “brotos” abaixo da base do globo globo ) com a toda a parte inferior de um de poste francês do tipo grande, um dos mais utilizados na cidade e com a base de globo e globo propriamente dito usados na adaptação dos postes franceses de tamanho pequeno ( como os amurada da Av. Beira Mar ) para a luz elétrica nos anos 10. Para completar essa salada era pintado de marrom metalizado, cor nunca antes usada nem pela Societte du Gàz como pela Light.
Esses postes continuam sendo usados, não obstante o seu erro como mobiliário urbano, e o pior hoje ainda mais bagunçados pela total falta de coerência da Rio-Luz na manutenção homogênea de luminárias, globos e braços pela cidade.

Comments (6)

buraite 28/02/08 7:46 …

Eu ainda lembro do prédio quando era os correios, cheguei a ver um filme nacional, péssimo por sinal, que se passava nele, aquilo lá dentro era uma bagunça, ainda bem que tiraram tudo de lá.

evertrip 28/02/08 8:48 …

muito interessante seu FotoLog … gostei da suas observações sobre a arquitetura do rio de janeiro …
:o)

jban 28/02/08 21:07 …

Mas o homem sabe é muito !
Excelente’, André !

brianjawa 28/02/08 21:54 …

Excelente fotolog. O descobri por um amigo que o adicionou.
Parabéns mais uma vez.

jason_1900 29/02/08 0:29 …

Meu avô, pai do meu pai, trabalhou aí até se aposentar, lá pelo final dos anos 30.

sorio 29/02/08 7:32 …

Muita coisa mudando sem parar,
André Costa