andredecourt's foto van 8-6-07

Complexo de favelas do Leblon, final dos anos 60

Nossa aérea de hoje mostra o complexo de favelas do Leblon, erradicado no governo Negão de Lima.
O complexo era composto pela Praia do Pinto, a maior delas, a Ilha das Dragas e a do Guarda, todas criadas em terrenos pantanosos na beira da lagora Rodrigo de Freitas. A Praia do Pinto, a mais antiga, surgiu em uma área aparentemente não urbanizada do loteamento do Leblon e que acompanhava o primitivo traçado da Av. Afrânio de Melo Franco, que em fotos mais antigas pode ser visto claramente, nessa foto a via já tinha sido fagocitada pela favela. As outras duas nasceram de ocupações diferentes, a do Guarda era uma estreita restinga ocupada por pescadores no início do séc. XX, e quando dos aterros para a regularização do litoral nos anos 40 foi unida ao continente, mesmo que precariamente e se favelizou rapidamente, aterro este que propiciou a ocupação também da Ilha das Dragas, antes apenas uma fina trilha de areia às margens do canal artificial do Jardim de Alah, do outro lado da Ilha Caiçaras.
De uma ocupação quase rural nos anos 30, a favela da Praia do Pinto começou a se transformar em um mostro sem controle nos anos 50, quando seus habitantes passaram a ser também muito diferentes dos iniciais. O problema se agravou quando famílias da removida Favela da Memória foram transeferidas para vilas proletárias, não só na região do futuro Parque Proletário da Gávea, mas também em áreas desocupadas da Praia do Pinto, como às margens do trajeto da Av. Afrânio de Melo Franco e uma grande parte junto aos muros do Flamengo, onde estava previsto uma avenida.
As favelas foram incluídas no plano de remoção, que continuou do governo Lacerda para o Negrão do Lima, de partidos diferentes e adversários desde os anos 50, exemplo de continuidade administrativa, sendo as famílias levadas para conjuntos habitacionais, muitos infelizmente muito longe e sem a mínima estrutura de transportes, o que criou um trauma na sociedade carioca até hoje quando se fala em remoção, embora hoje mais do que nunca ela seja necessária em vários lugares da cidade..
Nos anos 70 a região foi reloteada com criação de vias novas, em traçados diferentes do anteriormente planejado, um grande horto-mercado da COBAL foi criado, quatro praças abertas e as pistas da Lagoa unidas e duplicadas no trecho.
Os prédios na época a cima do gabarito do Leblon, foram levantados por meio de manobras políticas e brechas na legislação edilícia, sendo chamados pelo povo como Selva de Pedra, em virtude de uma novela passada na época da construção dos mesmos. Esse apelido foi instituído e aquela região do Leblon definitivamente ganhou o nome de Selva de Pedra.
A foto nos mostra partes dos Bairros do Leblon e Ipanema com uma ocupação mais horizontal do que hoje, mas os espigões já se elevavam, como também a recém desaparecida Pedreira do Baiano, transformada em um shopping.

Comments (17)

pocah_opa 8-6-07 10:17 …
noss….amo as fotos do Rio Antigo^^
mas a parte das favelas não me agradam muito e ver crescendo.. =/ ainda mais quando degradam o ambiente…mas enfim…
Belo post.
bjos
jban 8-6-07 11:38 …
Acho esse lugar um horror… Para mim é carma ruim da favela ou macumba da braba. Região esquisita, escura, mal freqüentada.
tumminelli 8-6-07 11:59 …
Tb acho essa região estranhissima.
🙂
antolog 8-6-07 12:49 …
E alí está o clube mais quewrido do Brasil…
fac-símile 8-6-07 13:02 …
Hoje, sou morador da SELVA DE PEDRA e estou rememorando o local como era antes…
Peço-lhe o favor de enviar-me a foto original por e-mail.
Antecipadamente agradeço-lhe.
Um abraço.
clovis.lacerda@terra.com.br
lerfamu 8-6-07 13:20 …
Eu moro aqui, gosto muito. A única presença funesta, paquidermica e mal cheirosa mesmo é quando passa um certo Dodge dos anos 50, azul com capota branca, que devia ser recolhido de tanta fumaça que solta!
js 8-6-07 13:29 …
Pena que os projetos para erradicar as favelas, pararam nos anos 60.Para construir legal, vem mais de duzentos fiscais,para fazer favela não aparece ninguem para embargar. Lamentável.
jban 8-6-07 13:40 …
O Flamengo só aumenta o carma ruim do local…. vase retro !
O Dodge pode até ser paquidérmico e mal cheiroso, mas funesto não é ….
😀
Ze Rodrigo 8-6-07 13:52 …
Eu também moro neste lugar e gosto muito.
Fica perto do melhor cinema do Rio, o Leblon, e do melhor bar do Rio, o Clipper.
A única coisa esquisita que macula a região é quando aparece algum habitante de Ipanema com complexo de niteroiense e inveja de tijucano para tentar copiar algo de bom para seu próprio habitat.
VaDE Retro !
:-)))))))))
Rafael Netto 8-6-07 18:34 …
Parece que nesta foto a Cobal já existia.
O Decourt não falou agora, mas em outra ocasião já foi mostrado que o traçado da Afrânio corria enviezado pela favela, na direção da Cobal. Acho que era o litoral primitivo da Lagoa, ou paralelo a ele.
No quarteirão entre a Afrânio, Humberto de Campos e a Ataulfo de Paiva, os terrenos têm um estranho alinhamento torto que talvez seja remanescente dessa época.
Marcelo Almirante 10-6-07 10:01 …
Realmente essa região até hoje é bem estranha, quem diria que está no tal “Leblon”
mauro 10-6-07 14:51 …
esse bairrismo todo não leva a nada…simplesmente é horrivél morar no Rio de Janeiro hoje…não importa aonde?