andredecourt's photo from 4/19/07

Rua Bolivar com Rua Pereira Passos.

Malta a serviço da PDF fotografa em 1928 as obras de urbanização e drenagem da Rua Bolivar, antiga Guimarães Caipora, por ter sido aberto seu primeiro trecho nos terrenos deste que era um dos menores proprietários de terra no bairro.
Malta pára no meio da Rua Pereira Passos e mira sua câmera para o final da rua, no encontro com a Rua 7 de Setembro que também terminava no encontro com a Bolivar.
As tranquilas ruas hoje são movimentadíssimas e Malta certamente seria atropelado, a Pereira Passos foi unida e unificada com a Barata Ribeiro mais ou menos nessa época e a 7 de Setembro ganhou a partir do anos 30 mais um pequeno trecho que englobava a Praça Eugênio Jardim e posteriormente unida ao Corte de Cantagalo, se transformando nos anos 60 num corredor de tráfego com o seu alargamento e a construção do Túnel Major Rubens Vaz.
Chama a atenção na foto a enorme fileira de casas térreas que ocupavam todo um lado da Rua Bolivar, totalmente diferentes da ocupação que surgia no resto do bairro. Pela natureza dos terrenos nesse local, profundos e de grandes dimensões, que geraram grandes prédios nesse pedaço da rua, acredito que essas casas fossem as casas externas de uma vila, certamente destinada ao aluguel para pessoas de posses menores que os outros novos moradores do bairro.
O imóvel que vemos em construção na extrema esquerda da imagem, existe até hoje, extremamente modificado, mas quardando muitas características de ter sido um sobrado nessa época.
Até hoje pouco mais à direita de nossa foto ainda existe uma vila e uma grande e bela casa, em um enorme terreno, contemporâneos da época da nossa imagem e que que dá muita veracidade a nossa especulação.
Foto: Malta

Comments (16)

Luiz D’ 4/19/07 10:17 AM …
Em 30 anos, a contar desta data, tudo isso mudou para prédios e mais prédios.
http://fotolog.terra.com.br/luizd
almacarioca 4/19/07 10:32 AM …
Bom final de semana!
edubt 4/19/07 11:05 AM …
O trecho entre a leopoldo Miguez e barata Ribeiro no lado direito, ta cheio de cabeças de porco.
Não consigo identificar a tal construção da foto que ainda existe (resiste).
:-))
derani 4/19/07 11:10 AM …
À primeira vista pensei tratar-se realmente de uma vila e não a Rua Bolivar.
As construções baixas são muito parecidas com aquelas vilas operárias que existiam em vários locais do Rio.
roberto.rosendo@sapo.pt 4/19/07 11:22 AM …
A construção que ainda existe não será o edificio onde funcionou o “termas romanas”? na esquina de Bolivar com Barata Ribeiro?
photomechanica 4/19/07 12:14 PM …
André, clica neste link e veja um pedaço da Vieira Souto em 67, veja um poste sem cabeça na calçada da praia :
http://www.fotolog.com/caucaia1/25943217
rock_rj 4/19/07 5:15 PM …
André, pela descrição então a Rua 7 de Setembro virou a atual Pompeu Loureiro.
jban 4/19/07 6:18 PM …
As obras do Metrô na Muniz Barreto foram de 1977 a 1979. Sofremos apenas por dois anos.
alo_helo 4/19/07 7:30 PM …
Essas janelinhas dando para a rua, lembram a casa de minha vó, inesquecível!
jason_1900 4/19/07 11:48 PM …
Copacabana. Taí um lugar que eu gosto!
Quem sabe um dia eu compro uma casa nessa vila que o Decourt falou…
tursp 4/20/07 8:36 AM …
A magia dos fotoblogs é a capacidade de revelar imagens/mensagens que são próprias do espírito criativo de seu autor. Este fascinante veículo de comunicação ultrapassa fronteiras imensuráveis. Leva-nos a conhecer pensamentos, filosofias, e formas de expressão variados. Enriquece-nos a cada instante com uma velocidade incalculável. Parabéns pelo seu trabalho colocado nestas páginas virtuais. Desejo-lhe imenso sucesso.
dani_bessa 4/20/07 9:40 AM …
Genial!!!
Roberto Valentim 4/21/07 10:18 PM …
Teste
Roberto Valentim 4/21/07 10:30 PM …
André, depois que descobri seu fotolog (e outros), tenho passado um tempão garimpando e admirando as fotos, especialmente as da Zona Sul.
Moro em Copacabana, no Posto 5, e vou te confessar: se eu tivesse, daria uma fortuna todinha como a de Bill Gates, cada centavo, por uma máquina do tempo que me levasse a ver ao vivo, o Rio de Janeiro do final do século XIX até os anos 50 do século XX. Nasci tarde demais.