foto de andredecourt em 13/04/07

Nossa aérea de hoje foca os subúrbios da Leopoldina, mais precisamente o conjunto do IAPI e seus arredores na Penha Circular, quase Olaria.

O IAPI foi construído nos anos 40 pelo Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários, a fim de dar moradia barata e financiada a longo prazo aos seus segurados, numa época que a previdência era descentralizada, com inúmeros institutos de pensões, que aparentemente tinham muito mais “poder de fogo” em termos financeiros que o gigantesco INPS criado após do golpe de 1964.
A foto nos mostra um plano geral da região, que apesar de ter mudado pouco na essência de sua ocupação se desenvolveu durante os anos 50,60 e 70 e agora se desconstrói com a decadência carreada pela violência.
À esquerda, vemos o Bairro de Olaria já bem ocupado principalmente junto a linha do trem, ao fundo vemos o Morro do Alemão, ainda longe de ter o violento e absurdo complexo de favelas em suas encostas, mas já favelizado com a presença de uma favela no eixo da Rua Armando Sodré.
Vemos ainda a grande faixa de terra desocupada, a qual abrigava um antigo matadouro, que assim ficou até os anos 70, quando finalmente foi urbanizada. Nesse local foi onde a menina Tânia Maria foi assassinada por ciúmes e vingança por Neide Maia Lopes no crime que ficou conhecido como “A Fera da Penha”. Junto a esta faixa o estádio do Olaria Atlético Clube na Rua Bariri é bem visível, contando ainda com apenas uma arquibancada num dos vértices do campo.
No pé da foto vemos a grande área verde da Fazendinha, sobra da antiga Fazenda Grande, uma das principais propriedades agrícolas da região de Olaria, que ocupava praticamente toda a região e que foi sendo desmembrada aos poucos desde o séc. XIX, sendo uma das suas últimas porções desapropriada para a construção do Hospital Getúlio Vargas.
Na direita da foto temos a Penha Circular na parte inferior e na superior a Vila da Penha, bairros tradicionais na região da Leopoldina e muito famosos pela presença da bela Igreja da Penha encarrapitada no alto de uma escarpada pedreira, infelizmente hoje cercada por favelas.
Olhando com mais atenção para o Bairro da Penha Circular percebemos que ruas hoje com grande tráfego de automóveis como a Rua Costa Rica, importante ligação de Olaria com Brás de Pinna, via Penha não passava de uma via de terra fechada pelo mato, outras vias importantes como a Rua Cuba sequer podem ser visualizadas num cenário que lembra uma área rural.
No centro do conjunto do IAPI, que era como de praxe tinha um programa completo, com escola, área de esportes etc… temos a Praça Santa Emiliana executada pela PDF sob o traço do arquiteto e paisagista Azevedo Neto, a praça ainda mantém seu contorno básico, com as ruas externas sinuosas, mas de sua parte interna pouca coisa do desenho original chegou aos nossos dias.
Agradecemos ao amigo Gilberto Negreiros pelo envio desta foto

Comments (17)

 
edubt disse em 13/04/07 10:23 …
Imagina morar aí. O calor em pleno janiero? E agora com a guerra que rola?
Tenho uma foto de outro conjunto, mas próximo à Vila Militar, se não me engano o IAPTEC.
antolog disse em 13/04/07 11:08 …
Uma belo panoramica da Leopoldina. Se possível, gostaria de receber esta foto em alta. Pode ser???
AG disse em 13/04/07 11:18 …
Ninguém passou na vida
O que eu passei, o que eu sofri
De ser pensionista do IAPI
De morar com sogra
Aturando ti ti ti
Carregando mala
Descascando abacaxi
Ninguém, ninguém, ninguém
Pode crer, meu compadre, que não tem.
(Zeca Pagadinho)
derani disse em 13/04/07 14:05 …
Não canso de repetir: Governar naquela época era coisa séria… imgine hoje em dia fazer um conjuntl habitacional desses com essa qualidade e infra-estrutura e ainda ir cobrando à conta-gotas como o IAPI fazia.
Luiz D’ disse em 13/04/07 15:08 …
Outros tempos, outros tempos!
http://www.fotolog.terra.com.br/luizd
Derani disse em 13/04/07 16:08 …
E essa era a paisagem que se via antes do avião descer no Galeão… agora é uma paisagem igual a das mais pobres cidades africanas…
Uma lástima!
jban disse em 13/04/07 18:39 …
Entrei no Google Earth e consegui me achar… incrível a diferença…
Marcelo Almirante disse em 13/04/07 22:30 …
Bom, ao menos a vista da Igreja à noite continua muito bela por sinal.
rockrj disse em 13/04/07 23:13 …
Espetacular a nitidez da foto!
dexteram disse em 15/04/07 08:40 …
Cada dia que passa, me impressiono mais com os seus conhecimetos andré, parabéns. Aliás, bela foto.
js disse em 15/04/07 09:46 …
Mais uma belissima e gostosa aula, Parabens! O que mais me impressiona são as comparações da paisagem, nossos irmãos brasileiros, abandonados e discriminados, ocupando atravez do tempo encostas de morros e palafitas,por falta de investimento social, desfigurando totalmente a imagem do nosso querido Rio de Janeiro.
zona norte na área disse em 16/04/07 21:26 …
opa, a dona leopoldina apareceu por aqui!
tempo bom né, podia-se sonhar, urbanização, dignidade,enfim, coisas esquecidas…
tudo foi se degradando, e jamais terá volta. o povo da região mudo só assistindo. talvez a diferença more aí, no silêncio, enquanto o globo de há semanas atrás noticiava a troca de postes de iluminação do palácio do catete, num protesto dos moradores do bairro, a região ai da foto, viu ser colocado abaixo o complexo industrial (e não de favelas) do curtume carioca. ainda ninguém sabe o que dali sairá, mas uma grande página da história jogada abaixo. bem antes um terreno plano e vazio, do que prédios fabris transformados em mais uma favela.
mauricionava disse em 23/04/07 21:14 …
André
Fantástica a foto.
Nasci e fui criado aí,neste mesmo IAPI da Penha.
Uma verdadeira cidade,inicialmente com 19 ruas, numeradas de 1 a 19 e 40 blocos de apartamentos. Hoje com 20 (todas com nome de Santos,inclusive a praça)e 42 blocos (Dois foram construidos nos anos 60,entre a Rua Leopoldina Rego e a Rua Quito Este Fantástico Conjunto Residencial tem aprox. 1500 aptos. Terra de gente humilde, mas guerreira e honesta. Está à direita da AV. Brasil (de quem desce para o centro do Rio),em frente ao CEFAN e a Escola da Marinha Mercante.Nossa praia era a de Ramos. A fazendinha,hoje da Universidade Castelo Branco.A praça, onde pode ser visto vários círculos, era toda tomada por um lago (formato de óculos ou halteres, cículos mais escuros, ligados por um canal mais estreito e com lindos jardins super bem cuidados. Em frente a praça está a Escola Primária Presidente Eurico Gaspar Dutra e ao lado e abaixo da Escola, o GREIP – Gremio Recreativo e Esportivo dos Industriários da Penha. O clube foi feito para os moradores do Conjunto e era tão bem estruturado que se praticava até hóquei em patins, coisa que em 1.960 era comum somente nos grandes clubes de origem potuguesesa da Tijuca. Até hoje frequento este lugar, pois minha famíla ainda mora aí.
Bem vou parar porque ……
Meus olhos estão me traindo e já estão cheios d`água.
Parabéns e Obrigado por esta breve viagem no tempo
Antonio Carlos – “Brasa”, apelido obtido ainda garoto, nesta época.