Barca da Valda, anos 60

andredecourt's foto van 9-12-04

Vemos nessa foto uma das barcas da empresa Valda, concorrente da Frota Carioca, atracada e os veículos por ela transportados desembarcando.
Essa foto é de 4 de julho de 1962, e possivelmente o cais de atracação é o do lado de Niterói, perto da Ponta da Areia, onde a Valda tinha seu cais, ao contrário da Frota Carioca, que tinha seu cais perto da estação de passageiros, no centro da cidade sorriso

Foto do acervo de Jason Vogel

Comments (42)

Lefla 9-12-04 7:22 …
Aquele DKV é provavelmente um dos 15 diferentes que meu pai teve ao longo da vida, sabe… kada kada kada kada kada para subir a serra de Friburgo. Essa era a empresa que nós usávamos, era melhor para subir para Friburgo, a outra saía no Centro de Niterói e fazia um tumulto na hora de desembarcar…
A operação de desembarque nos enchia de expectativas, minha irmã tinha medo, eu não tava nem aí, lamentava apenas que a viagem mal tivesse começado e ainda faltasse muito para chegar na Parada Modelo, onde tinha aquele pequeno zoológico, com bichos preguiça, macacos, cobras… E brevidade com média de café com leite… Saudade.
Lefla 9-12-04 7:25 …
Primeirão!!
Garanto que ontem teve Lamas e etc. Não pude ir, mas tomei com galhardia fartas canecas de uma cerveja que só não estava congelada por intervenção do Espírito Santo, pois sua temperatura era baixíssima. O domecq, claro, ao final, para esquentar a garganta e propiciar o sono instantâneo… Foi nisso que deu comer tanta brevidade com café com leite!
bizelo2004 9-12-04 7:48 …
Estive olhando seu flog, parabens pelas fotos e pelos comentários, add aos meus favoritos. Abraços
bwanis 9-12-04 7:52 …
Puxa vida…
Adorei ver essa foto e lembrar dos tempo em que ficávamos um tempão na fila esperando pra embarcar nessas balsas….
Tinha o seu lado legal….
:))))
andredecourt 9-12-04 8:12 …
Lefla, tô de ressaca, e na empolgação só não subi a serra de petrópolis rumo à Posse, porque me lembrei que não tinha ninguém no sítio
alvarogabriel@openlink.com.br 9-12-04 8:43 …
Meu pai tinha um amigo que era português de boa safra. Veio para o Brasil e resolveu instalar uma indústria lá pros lados de Itaboraí. Corria os anos sessenta e o homem tinha que pegar essa barca daí para embarcar seu Chevrolet e ir ver terrenos, conversar com o prefeito, arrumar empréstimo etc. Pelo menos uma quatro vezes por semana o nosso amigo passava pelo calvário da fila, do embarque, do desembarque, das véspera de feriado, dos enguiços da barca, dos atrasos, do perigo da neblina, o diabo a quatro. Muitos meses depois, o camarada descobriu que tinha uma estrada que ia par’aqueles lados passando por Magé. Ah, pra que ? Sentindo-se traído pelos amigos que nunca tiveram a bondade de revelar esse “atalho”, o português fechou-se numa concha e nunca mais falou com ninguém, inclusive com meu pai. Acho que o homem sofreu tanto nessa barca que voltou para Portugal e do Brasil nunca mais quis saber.
Lefla 9-12-04 8:46 …
Alvaro, que exagero… hahahahahaha… esse português deve ter tido algum outro desgosto, alguma mulata abandonou-o em Niterói ou coisa assim. Se ele era de boa safra só pode ter se fechado por dois motivos. Fado ou dores, que portugueses as têm muito, nos pés, inchados, as pernas pesadas. É da raça.
andredecourt 9-12-04 8:47 …
Esses Lusos as vezes tem reações, assim dramáticas
Lefla 9-12-04 8:49 …
Vcs querem parar de malhar o português!! Coitado, cara, se ele soubesse o que era a estrada por Magé ele ficava melhor amigo das pessoas que não avisaram. Ou vc acha que todo mundo tava na fila da barca fazendo a social, pagando penitência ou sei lá… A estrada era uma josta e demorava-se muito no trajeto por ela…
andredecourt 9-12-04 8:50 …
Pô Lefla, acho que v/c quer tomar um vinho verde…hehehehe
alvarogabriel@openlink.com.br 9-12-04 9:11 …
Mas, amigos, o argumento do meu velho pai era esse mesmo, quer dizer: a estrada por Magé era o cão comendo mariola e a intenção era livrar o seu belo automóvel de um trajeto tipo Tombstone via Dodge City. Quanto a alternativa da mulata, era preferida pela minha mãe.
mapas 9-12-04 9:26 …
Ahá! Era essa a barca que eu costumava pegar. Grande recordação do Lefla sobre a Parada Modelo, fica na memória que nem a Arcádia no caminho de Arcozelo/Miguel Pereira, o Ovomaltine antigo da Via Dutra em Resende, o Bar do Alemão no pé da serra para Petrópolis… Ih acordei saudosista hoje! Não tem mais minizôo lá não?
andredecourt 9-12-04 9:31 …
Prender bichinhos, hoje, em tempos politicamente corretos é politicamente incorreto…..esse negócio de PC ainda vai acabar com a graça do mundo !
Lefla 9-12-04 9:32 …
Acho que não tem mais, mapas. O IBAMA não permitiria. Era mesmo uma maldade, os macacos eram irritados pelas crianças, que atiravam coisas, as celas eram medonhas. Hoje vejo como as coisas podem evoluir para melhor. Embora tenha saudades do mini-zoo, hoje se o visse, protestaria contra o mau trato imposto aos bichos por lá.
tumminelli 9-12-04 9:33 …
Eu sabia que vc ia gostar!!!!!
:-))))))))))))
Essa dai ta show tb!
analyzator 9-12-04 9:45 …
Me recordo que, nos anos 80, ainda havia dois terminais ao lado das pontes de atracação das barcas, à esquerda de quem chega no Rio pelas barcas, referidos como “Ponte 1” e “Ponte 2”. Eram aqueles os terminais utilizados pela Valda no Rio?
Acho que essa estação da Valda em Niterói nem existe mais, deve ter sido coberta por aterros. A Cantareira, por exemplo, ainda preserva parte da estrutura original, mas longe do mar, após um aterro na região.
A estação no Centro de Niterói, que dispunha de um velho prédio similar ao da estação da Praça XV, foi destruída num incêndio durante uma revolta popular, em 1959. Uma estação provisória foi construída meses depois para restabelecimento do serviço. A estação definitiva nunca foi construída. Ou seja: a estação das barcas de Niterói na verdade opera “provisoriamente” há quase 45 anos…
rodperez 9-12-04 9:46 …
velhos tempos…. veja bem, de um jeito ou de outro isso mudou para melhor, não?
mapas 9-12-04 9:58 …
Engraçado, agora que vocês falaram… realmente, na época eu achava o minizôo pitoresco, mas hoje entendo que era meio cruel mesmo. Concordo, /rodperez, muita coisa tem melhorado e a gente às vezes se esquece de notar.
andredecourt 9-12-04 10:51 …
A revolta foi contra a família Carretero dona da concessão da Frota Carioca, além da estação foram destrídas diversas propriedades da família, inclusive a residência
alvarogabriel@openlink.com.br 9-12-04 11:02 …
Coisa trágica: conta-se que um dos caras que entrou para depredar a casa dos donos da Frota Carioca morreu eletrocutado por um dos holofotes internos da piscina. Como é que a gente guarda certos detalhes macabros. Por isso é que neguinho tipo Wagner Montes se dá bem na televisão.
teatroecia 9-12-04 11:11 …
Outro dia eu estive pensando como as pessoas faziam para atravessar de carro a Baía para ir do Rio para Niterói e vice-versa… Sei que existe um caminho muito maior, mas agora você respondeu à minha pergunta!!
lefla 9-12-04 11:22 …
Por falar em Vagner Montes eu vi esse cara no aeroporto outro dia. Ele é um detalhe macabro em si, Alvaro, ou vc esqueceu da história do triciclo, que acabou rendendo uma perna mecânica para o apresentador escatológico em questão?
odeon 9-12-04 11:47 …
Ontem, estive ontem num concerto de Natal
na Candelária. Dias 19 e 23 a dose será repetida.
Vale a pena!
abk 9-12-04 12:40 …
Era bem complicada e trabalhosa essa travessia de veículos.
Goatei de te rever no meetup.
Abraços.
Wagner Montes 9-12-04 15:18 …
Escatológico mas cheio da grana…
riobus 9-12-04 15:22 …
ahahaha e isso seria bom de fotografar
riobus 9-12-04 15:24 …
não fui ao meetup porque era em laranjeiras…
no proximo (na cobal, por favor) eu vou
meus_clicks 9-12-04 15:50 …
muito boa ! gostei ! 🙂
Beijinhos,
Laurinha ! 😉
Marcelo Almirante 9-12-04 17:09 …
Essa foto é simplesmente sensacional. Que nitidez.
pikyto 9-12-04 18:22 …
Meu fusca 64 navegou muito nessa barca. Ficávamos horas na fila, mas quem disse que era ruim? Fazíamos grandes festas naquela longa espera. Aos 18 anos tudo é alegria! Abs.
yas_snape 9-12-04 18:30 …
Manda pra yas.snape@gmail.com
Pô, como foi lá no Poças?!?!? hehehe.
Beijinhos
lanari 9-12-04 18:36 …
Eu gostava mais da Valda – dava pra ficar lá em cima durante a travessia. A ida nem era tão ruim… mas a fila da volta era qualquer coisa, principalmente no fim das férias e depois de feriados.
rockrj 9-12-04 19:07 …
Muito boa essa André. Andei muito nessa aí também…
anapinta 9-12-04 19:27 …
e eu que pensava que Valda eram pastilhas!!!
:-
pacatatu 9-12-04 19:29 …
quer dizer, a gracinha acima eh de /pacatatu, logado errado
anapinta jamais escreveria uma besteira desta… (sei…)
Jason 9-12-04 21:03 …
Essa barca aí era pintada de azul-celeste, com detalhes em madeira envernizada. O caminhão em primeiro plano é um Ford F6, circa 1950.
Uma consulta: há uns 15 anos, a balsa que fazia a travessia de automóveis entre São Sebastião e Ilhabela (SP) era uma embarcação que lembrava muito as da Frota Carioca-Conerj. Será que, depois da inauguração da Ponte Rio-Niterói elas foram transferidas para o litoral de SP?
Alguém aqui já foi à estranha localidade de Ilhabela? (onde, aliás, passei o pior carnaval da minha vida, devorado por borrachudos e sem comer ninguém…)
heilborn 9-12-04 21:04 …
:)))))))))))))) aquelas carinhas bocudas que vc postou são coisa do Beto!
André, André, tão ressaqueado que nem sabe quem é!
Lefla 9-12-04 21:18 …
Esse cara aí em cima tá cheio de razão. Por isso acho que tinha que deletar o que ele disse…
photoquim 10-12-04 7:18 …
Eu andei em algumas dessas barcas, não me lembro quais (hoje tenho 50 anos).
Mas me lembro da preocupação do operador em distribuir o peso dos veículos no convés o mais equilibradamente possível.
A foto está ótima.
[]s.
JQ//.
andreleblon 13-12-04 1:59 …
Me lembro bem dessas balsas.
Alias barcaças, acho que era assim que se chamavam.
Eu só nao lembrava o nome das empresas.
Me lembro tb dos botos que iam as acompanhado e recentemente todas as vezes que fui a Niterói de barcas jamais consegui ver um sequer, só vi lixo e mais lixo boiando nas águas escuras dessa que talvez já tenha sido a baía mais linda do mundo.
Na Bahia, de Porto Seguro prá Arraial d`Ajuda ainda se usam essas balsas e todo ano que vou lá adoro a travessia. E tem essa parada de distribuir o peso dos veiculos.Mas acho que daqui a alguns anos haverá uma ponte lá tb.
brites 16-12-04 6:53 …
Claro q andei de balsa tb! Lembro pouco dos detalhes… era beeem pequena (estou com 46). Mas tinha uma mágica toda especial o fato de estar sobre as águas, assim bem pertinho, e além de tudo, o carro de minha mãe (uma vemaguete azul de teto bco!) ir junto! E era sempre rumo a algum programa diferente e legal! Passar na Ovomaltine era mesmo a maior festa!!! Bichinhos eu gostava de ver mas tinha pena de estarem assim presos… []s Bom dia!

10 comentários em “Barca da Valda, anos 60”

  1. Pela foto não consigo identificar o local (somente a rampa e neblina). Posso esclarecer que a rampa de acesso no cais de Niterói, ficava na orla da antiga Avenida Rio Branco, entre as Ruas Marechal Deodoro e Marquês de Caxias, antes do antigo Mercado de peixes, que adentrava a praia sobre palafitas de madeira. O acesso às barcaças em Niterói, passava antes por uma balança para pesagem de veículos, cujo prédio ficava à esquerda do caminho, e a barcaça adentrava em baixo de uma prancha de ferro suspensa, onde os veículos manobravam para embarque e desembarque. Um conhecido da familia, tinha o hábito de saltar com a moto sobre a prancha. Esperava a barcaça apitar e arrancava com a moto , passando sem pagar a tarifa. Só por aventura…

  2. A barcaça da foto (balsa, salvo engano, é uma embarcação semelhante, porém, sem propulsão própria, necessita de um rebocador para se locomover) é da empresa Valda (sigla da Viação Atlântica Ltda). Aquela que parava em frente à Rua Marquês de Caxias, ao lado do Mercado São Pedro (então, mar a dentro), era da STBG, a mesma empresa (estatal, na época) das barcas de passageiros convencionais. A Valda parava lá na Ponta da Areia, às vezes, em um terminal quase chegando no Estaleiro Mauá. Ao lado tinha, acho que, um abastecedor de combustíveis para barcos, com um enorme letreiro “Atlantic”. Outras vezes atracava no final da Rua Santa Clara, nunca fiquei sabendo qual o critério de escolha. A STBG não dava carona de jeito nenhum, na Valda, a gente chegava uniformizado de colégio, o marinheiro dizia: “güenta aí!”. Quando a barca enchia, eles diziam: “Vai lá… Vai lá!” Quando chegava, eu ainda tinha que caminhar até São Domingos, onde morava (próximo à Cantareira, Campus da UFF), do outro lado da cidade. Isso tudo que falei é de memória, sujeito, portanto, a retificações e confirmações.

  3. Esta rampa fica na Praça Marechal Âncora no Rio de Janeiro e existe até hoje.
    A rampa de Niterói não existe mais, ficava no fim da Rua Santa Clara na Ponta D’ Areia, onde hoje faz parte do Estaleiro Mac Laren.
    Este mapa mostra os pontos de atracação da Valda e o percurso via Ponte Rio-Niterói.
    http://goo.gl/maps/arV5q

    1. Opa!
      Bem legal, quando eu vi a foto também imaginei que seria aquela rampa, acho que hoje tem uma barraca nela e aqueles barquinhos ficam por ali, inclusive tem momento de peixe ali.
      Ela fica ao lado do Nepon da Policia Federal.
      Abraços

  4. Olá Pessoal,
    Legal que uma das balsas Valda a Valda II ainda está em operação no trajeto São Sebastião x Ilha bela, segundo o Wikipedia, eu ainda estou confirmando com a Dersa que faz o trajeto.
    https://pt.wikipedia.org/wiki/DERSA
    Trecho retirado do Wikipedia:
    VALDA-II 44 Veículos São Sebastião/Ilhabela
    A Valda II era uma Balsa comprada da antiga travessia entre Rio e Niteroi. Possuia apenas motores na Popa e tinha uma rampa para atracações em barrancos. Seu convés era todo revestido em peroba.
    Abraços

  5. Prezado Sr. Henry,
    Transcrevemos a resposta da área responsável sobre sua manifestação:
    “Agradecemos o contato e o envio das fotos. A embarcação do tipo ferry boat Valda II opera na Travessia São Sebastião x Ilhabela. Desde o mês de setembro de 2015 foi retirada do tráfego para obras de reforma e modernização, com previsão de retorno para o mês de maio de 2016”.
    Sem mais, estamos à disposição.
    Atenciosamente,
    Ouvidoria
    DERSA – Desenvolvimento Rodoviário S/A

  6. Tenho um resquício memorial que a Valda teria participado do Desembarque da Normandia. Alguém tem info a respeito?

Deixe uma resposta para Henry Miranda Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 13 + 15 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...