foto de andredecourt en 14/02/04

Oratório na esquina das Ruas do Regente Feijó e Alfândega orna a esquina .
Os oratórios por incrível que pareça foram instituídos pelo Governador Luís Vahia Monteiro, mais conhecido como “ O Onça ” por sua severidade, como instrumentos de segurança pública da cidade, pois naquela época, e por muitos anos a cidade não possuiu sistema de iluminação pública .
Os oratórios eram colocados em esquinas e em locais estratégicos, onde suas velas ou lamparinas de azeite davam um pouco de luz às noites sem lua aos que se aventuravam a andar na cidade, munidos de muita coragem pois além do perigo dos assaltos, havia a possibilidade de dar de cara com um dos famosos “tigres” e sua malcheirosa carga .
Só a partir de 1794 que a municipalidade instituiu uma precária rede de lampiões a óleo de baleia, ou azeite de peixe, em algumas ruas, por volta de 100 apenas, somente em 1854 que a cidade passou a contar com uma iluminação pública de verdade, a gás .
Na rua do Carmo há o último oratório público da cidade, infelizmente pessimamente conservado, apoiado por estruturas de madeira e sem a imagem, deve estar em restauração, mas ela já dura mais de 2 anos .

Comments (15)

soul_captives 14/02/04 10:15 …
e a foto é de quando?? muito legal… o pessoal q tem fotos antigas devia se juntar e expor em algum lugar… sei la seria legal…..
ze_lobato 14/02/04 10:22 …
Naquela época quando aparecia um fotógrafo deveria ser como quando hoje aparece um camera da globo, e todo mundo quer aparecer! Olha só a pinta do gaiato alí fazendo pose para o fotógrafo, a moça lá na porta também posa para a foto. Mais uma bela história resgatada do passado e contada para nós por André. Abçs
andredecourt 14/02/04 10:25 …
Essa foto é do período Passos, tirada por Malta, a rua do Regente Feijó foi uma das reurbanizadas
jornalistabr 14/02/04 12:07 …
Muito interessante, que aula!!!!!!
lucia 14/02/04 14:18 …
Li o seu comentário lá no flog da yasmine.
É isso mesmo, parece que leva muito tempo…Mas na verdade não deve ter levado 2 minutos, sei lá…
E a tremedeira vem logo em seguida..Caramba!
marcelomartins 14/02/04 15:12 …
Ahahah…só o Zé!!!
Muito bacana a história desse início de luz da Cidade; Como museólogo posso te dizer que restaurações públicas são um “perrengue forte”…tanto de material, como mão de obra e claro, …financeiramente!
Abração..Marcelinho.
zorba_rj 14/02/04 17:39 …
Muito legal essa história.
Realmente você é um apaixonado por esta cidade.
Parabéns que seu espirito de conservação e manutençao de nossa história siga a diante.
Um grande abraço… :0)
abk 14/02/04 19:02 …
André , bastante interessante esse registro.Nunca reparei na rua do Carmo a existência desse oratório.Vou procurar olhar com atenção.
Você é muito simpático e foi muito agradável o ter te reencontrado no Humaitá.
Um bom fim de semana para você!!
jro 14/02/04 22:19 …
Viajo com estas aulas.
JRO :-))
luisarocha 14/02/04 23:42 …
Aulas e mais aulas maravilhosas….
Parabéns!!!!!!!!!!!!
O seu flog deveria ser indicado aos alunos pelos professores de história….!!!!!!!
papaulinha 15/02/04 0:12 …
Nunca reparei… vou observar na rua do Carmo!
Keila 15/02/04 0:49 …
Então é daí que vem aquela expressão “do tempo do Onça”…
André, semana passada comprei o livro “Rio de Janeiro – Imagens da Aviação Naval – 1916-1923”, que traz umas fotos maravilhosas, inclusive da Ilha do Governador, Manguinhos, São Cristóvão e da Francisco Bicalho. Não sei se vc já conhece. Pra quem puder comprar, vale muito a pena.
andredecourt 15/02/04 1:11 …
Keila estou louco por esse livro, estou comprando ele por agora… pois sei que daqui a alguns meses ele estará esgotado……
O onça é um cara muito injustiçado. só lendo um livro dos anos 60 para entende-lo
aqua_man 15/02/04 4:37 …
Caraca! Eu nunca tinha escutado falar nisso! Muito boa a foto, e o texto, surpreendente!
Grande abraço!
afranio@ 14/09/04 1:55 …
André, vc surpreende a cada foto com a riqueza de seu comentário. Parabenizá-lo seria pouco o ideal seria condecorá-lo.