Complexo de Favelas da Praia do Pinto, início dos anos 60

andredecourts foton från 2008-01-11 

Nossa aérea de hoje é na realidade um post duplo com o Saudades do Rio do dia 8 de Janeiro ( http://fotolog.terra.com.br/luizd:1052 ) que mostrava uma vista aérea da Lagoa do Clube Caiçaras rumo à Ipanema.
Nossa foto de um período histórico muito próximo, mostra a vista imediatamente contrária, como nosso fotógrafo tivesse ido para a outra janela do helicóptero, vemos a vista do Caiçaras rumo a Leblon e Gávea.
Como podemos observar a vista não era nada bonita, essa era uma região extremamente favelizada, tendo um conjunto que era conhecido pela sua maior invasão, a Favela da Praia do Pinto. Na realidade tínhamos um complexo de 3 favelas. A mais antiga datando dos anos 30 era a Praia do Pinto as outras duas foram formadas na segunda metade dos anos 40, quando a cidade começou a crescer muito e de forma desordenada.
Lembramos que a Lagoa ainda possuía mais duas favelas, que não aparecem na nossa foto a Piraquê, que ia da foz do Rio dos Macacos acompanhando os muros do Jockey Club , num trecho da Lagoa conhecido como Belém-Brasília e a da Catacumba, a única de encosta que subia os Morro dos Cabritos na região do velho Caminho da Catacumba.
Nossa foto de hoje mostra que as pistas da Av. Borges de Medeiros, mesmo que ainda simples já chegavam a esta área, dando acesso aos clubes Monte Líbano e AABB. O Paissandu Cricket Club também já ocupava seu terreno, que era acessado pela Av. Afrânio de Melo Franco, por dentro da Favela da Praia do Pinto.
As duas favelas na beira da Lagoa eram a Ilha das Dragas, que corta a foto da esquerda para a direita, sendo ainda acessada por uma pequena ponte. A seguinte, onde hoje está o Parque das Taboas era a Favela da Ilha do Guarda, nessa época já integrada à restinga por aterros, mas ainda formada basicamente por precários barracos em palafitas.
Vemos na Ilha das Dragas uma construção que destoa das demais, certamente é um prédio governamental, possivelmente uma escola ou posto de saúde. Na Praia do Pinto, onde hoje está o conjunto de prédios chamado de Selva de Pedra, mesmo nessa resolução podemos observar os dois tipos de ocupação da favela. À esquerda temos a favela gerada de forma espontânea nas sobras alagadiças do loteamento do Leblon, já na direita o tecido da ocupação muda, ficando mais retilíneo. Ali eram as vilas proletárias ocupadas notadamente por ocupantes da Favela da Memória, removida décadas antes pelo Governo Vargas no Estado Novo, que aguardavam até o presente momento a conclusão do Parque Proletário da Gávea, o que nunca se realizou como podemos ver por extensa série publicada aqui no fotolog entre Setembro e Outubro de 2004 ( do post http://www.rioquepassou.com.br/2004/09/27/ até o post  http://www.rioquepassou.com.br/2004/10/04/).
Ao fundo, na parte direita superior, podemos ver as instalações do Flamengo Futebol e Regatas ainda incipientes, se destacando a única arquibancada do natimorto estádio do clube.
Todas essas favelas foram removidas no Governo Negrão de Lima no Estado da Guanabara, tendo sido seus ocupantes levados para lugares longínquos como Cidade de Deus, Cidade Alta ( grande parte ) e Vila Kenedy. Não discutimos a necessidade da remoção que evitou a inviabilidade da Lagoa com bairro nos anos seguintes, mas sim para onde os invasores foram levados para lugares sem transporte de massas e isolados do tecido urbano. Esse grave erro do passado criou um trauma na sociedade carioca que até hoje hesita em remover invasões predatórias a saúde de cidade.
Agradecemos o envio dessa foto ao amigo Carlos Ponce de Leon de Paiva
 
 

Comments (10)

derani 2008-01-11 08:55 …

Mais que trauma , uma boa desculpa para não removerem mais nada e incentivar a criação de novas e expansão das já existente, como uma espécie de retaliação e compensação pelo que fizeram no passado.
Coisa de maluco.

rob_mat 2008-01-11 08:58 …

É extraordiário fazer a comparação do Rio de ontem com o Rio de hoje,
PARABÉNS PELA IDÉIA!!!

flaviom 2008-01-11 09:21 …

Já ouvi dizerem que era prevista uma sede esportiva do Clube de Engenharia na Ilha das Dragas. Mas este foi um caso de “desaterro”. Removeram a favela E a ilha…
Praticamente tudo o que se vê nesta foto foi aterro público, feito oficialmente por iniciativa do Governo.
Acho que minha próxima série, depois das obras do Prado Junior em Copa, vai ser sobre as obras de aterro na Lagoa…

triunfodapintura 2008-01-11 09:28 …

Não se desloca mais a população das favelas pelos mesmos motivos que se libera a construção de predios com alturas e dimensões insuportaveis para a nossa fragil situação urbana…Ganância, poder e descaso pela cidade.

rockrj 2008-01-11 09:28 …

Me parece na parte inferior da foto um pedacinho da ilha do Caiçaras.
André, a Ilha das Dragas, foi dragada ou parte dela está incluida no aterro que fizeram na região?

andredecourt 2008-01-11 11:15 …

Roberto, parte dela está no aterro de hoje, acredito que ela deve ter sido arrastada para formar o aterro do Parque das Taboas

jban 2008-01-11 12:05 …

Como é que ficaria a Zona Sul com todas essas favelas ???
Há que se fazer algo. Como está não dá !

phnovo 2008-01-11 23:35 …

Relaxem!!
Mais alguns anos e a Lagoa vai ficar exatamente como a foto
Assim como o resto da cidade!
É assim que se recupera o passado por aqui!

famadas 2008-01-13 11:23 …

Visito esse fotolog desde que foi criado… mas nunca opinei aqui. Tomei coragem e me cadastrei. Parabéns pelo site! Adoooro!

16 comentários em “Complexo de Favelas da Praia do Pinto, início dos anos 60”

      1. Azar o seu Carlos, de ser tão ignorante, mas isso não deve ser culpa da sua família, Lacerda tirar todas, afff as favelas são soluções para uma demanda óbvia, a falta de políticas públicas de moradia, onde seus moradores em sua maioria, descendentes de povos escravizados pelos invasores portugueses, construíam suas vidas com suas famílias, enfim…

  1. Também gostaria de ter fotos das favelas Caiçaras e das Dragas, pois nasci lá ( Caiçaras ) e morei até os 10 anos de idade, quando fomos removidos para Cidade de Deus. Meus pais não registraram nada em foto….. hj existe apenas lembranças guardadas na memória….

  2. Minha avó morou na favela da Praia do Pinto, acredito que até final dos anos 60, morreu de tuberculose, sofre pela discriminação por ser negra, viuva, ainda assim criou 2 filhos, e temos parentes na Cidade Alta onde conheci pessoas oriundas da praia do Pinto infelismente minha avó não teve a chance de recebr tal apartamento pois não foi selecionada

  3. O tal prédio com cara de coisa governamental na Ilha das Dragas era,provavelmente ,um ambulatório. Minha irmã contou que visitou o tal ambulatório (que ela diz que era Ambulatório da Praia do Pinto) com o colégio Sion de Petrópolis e lembrava que era numa espécie de ilha)

    1. Cara Luciana Raposo, é isso mesmo. E o ‘Ambulatório da Praia do Pinto’ existe em 2014 como entidade assistencial.
      Curiosamente esta entidade de assistência utiliza uma denominação que para muitos pode parecer anacrônica, mas para quem se lembra da época desta foto entende muito bem a referência geográfica.
      A história destas favelas no Leblon às margens da Lagoa é uma saga. Percebe-se na foto que a favela na área hoje denominada Selva de Pedra estava fisicamente contida.
      Como já foi dito por um comentarista quase tudo que vemos na foto é aterro.

  4. minha mãe, meu pai moraram lá e 4 dos meus irmãos nasceram lá. fiquei me perguntando como era pois minha mãe sofreu com duas enchentes neste lugar e sofreu muito por falta de várias coisas, mas mesmo assim ela disse que foi feliz. por isso esta minha curiosidade e querer ver fotos. para que ela possa se recordar.

  5. Eu morreu e fui nascida em 1963, morando na favela da prai do pinto ate que um dia aos meus seis anos de idade, acordamos na madrugada com muito fogo, sem saber o motivo pelo qual aquilo estava acontecendo. Segundo a minha mae ela dizia que tinha sido o governo que mandou colocar fogo na favela pra obrigar os moradores a sair da favela por que eles queriam construir predios para os ricos. Mais mesmo eu com os meus seis anos de idade, eu sinto muita saudades de lá, meu pai abondonou a minha mae com oito filhos depois que nos veio morar aqui na nova Holanda em um abrigo, pra depois de algum tempo ela ganhar um barraco.

  6. Eu moreu e fui nascida em 1963, morando na favela da prai do pinto ate que um dia aos meus seis anos de idade, acordamos na madrugada com muito fogo, sem saber o motivo pelo qual aquilo estava acontecendo. Segundo a minha mae ela dizia que tinha sido o governo que mandou colocar fogo na favela pra obrigar os moradores a sair da favela por que eles queriam construir predios para os ricos. Mais mesmo eu com os meus seis anos de idade, eu sinto muita saudades de lá, meu pai abondonou a minha mae com oito filhos depois que nos veio morar aqui na nova Holanda em um abrigo, pra depois de algum tempo ela ganhar um barraco.

  7. Mais um processo de exclusão dos pobres das áreas de interesse imobiliário. Por que a área não foi urbanizada para os que já moravam ali?
    “O governador Negrão de Lima informou que a área da Favela da Praia do Pinto
    será loteada e seus terrenos vendidos em hasta pública. As futuras construções do local
    deverão obedecer ao projeto de urbanização da área.” (“Governo abriga favelados até o fim
    da semana” Jornal do Brasil, 13/05/1969.)
    Estamos experimentando o mesmo processo hoje. O Prefeito Eduardo Paes tem removido mais de 65mil pessoas, dados do recente livro SMH 2016: Remoções no Rio de Janeiro Olímpico.

  8. Parabéns pelo rico arquivo, principalmente por citar as favelas antigas, nasci e morei ( até a remoção para a Cidade de Deus ) na Ilha das Dragas, de onde tenho maravilhosas recordações da minha infância, que muito me auxilia na experiência de vida.

  9. Cresci ouvindo minha mãe contar q aos 11 anos d idade, acordou com a favela da Praia do Pinto em chamas. Hoje, tive uma aula na faculdade de Arquitetura e o caso foi relatado… não consigo entender o q leva seres humanos a fazerem tamanha covardia e monstruosidade com outros seres humanos, e tbm não entendo como outros aprovaram e aprovam até hj tal ato. Estou com ânsia d vômito até agora. Malditos, não terão sossego enquanto quiserem segregar. Capitalistas selvagens.

  10. Neste comentário quero deixa algumas saudades de infância que eu vivi com meu pai Heleno que viveu ai também na praia do pinto ,da Dna.Nair da Ritinha, que trabalhava no Club dos caiçaras junto com meu pai Heleno (Marceneiro e Carpinteiro). Saudade da mercearia do gordo onde eu gostava de tomar grapette de uva , até do posto de saúde(Expressinho) eu sinto saudades pois eu ia consultar e eles me davam um vidrinho cheio de vitaminas coloridas ,saia dela toda feliz. O pessoal era mais unidos, sentia uma amizade sincera que podia contar uns com os outros.Deixo ai o meu recado de saudades 1000 . Abraços!

  11. NASCIR NA FAVELA EM 48, VIVER LA ATE 1958 QUANDO MUDEI PRA CRUZADA ONDE TENHO FAMILIARES.,POREM NAO MORO MAISLA. TENHO GRANDES LEMBRANÇAS MEU BARRACO ERA ONDE SURGIU TEMPO DEPOIS O BLOCO CACARECO DO LEBLON. PROXIMO TINHA A BIROSCA DO SEU NECA,PORTUGUES e O SETE DE SETEMBRO,CAPIXABA ESSES ERAO CLUB DE FUTEBOL DA FAVELA ENTRE OUTROS.TENHO LEMBRANÇA VIVA DA MINHA INFANCIA ONDE VIVI ATE OS DEZ ANOS. DE BRINCARMOS NOS BECOS QUANDO CHOVIA FAZIA AQUELAS CORREDEIRAS BOTAVAMOS PALITOS DE FOSFORROS e BARQUINHOS DE JORNAIS PRA FAZER CORRIDA. EU TINHA UMA VIZINHA NA EPOCA ELA DEVERIA TER UNS 15 ANOS EU TALVEZ UNS 8 ANOS FOI A P´RIMEIRA MULHER EU VER NUA . OS BARRACOS ERA PAREDE DE TABUA e FAZIA PAREDE COM PAREDE FORRADO COM FOLHAS DE REVISTAS OU JORNAL NAO LEMBRO BEM SE EU FUREI OU SOLTO A FORRAÇAO .,MAIS LEMBRO BEM QUE VIR ELA TOMANDO BANHO DE BACIA KKKK. FUI PRA CRUZADA EM 58 MAIS ATE O INCENDIO EU FREQUENTAVA A FAVELA e INFELISMENTE AJUDEI APAGAR O INCENDIO QUANTO MAIS TENTAVAMOS APAGAR O FOGO SUBIA. A PRAIA DO PINTO O MELHOR O COMPLEXO ERA MUITO GRANDE ENGLOBAVA UMA PARTE DA ILHA DOS CAIÇARAS ONDE TINHA UM BIROSQUEIRO BEM CONHECIDO SEU SANTOS e NA PRAINHA DA ILHA O AMBULATORIO DA PRAIA DO PINTO QUE SAIU DO INTERIOR DA FAVELA ONDE ERA LOCALIZADO NA SEDE DE UM CLUB CHAMADO EXPRESSINHA NA REMOÇAO FOI PRA SEDE PROPRIA NO JARDIM BOTANICO ONDE EGISTE ATE HOJE. TINHA A ILHA DAS DRAGAS QUE ERA NA MARGEM DA LAGOA COM PARAFITAS CHEGANDO ATE O MURO DO MONTE LIBANO, ENCOSTADO NO PAISSAUNDU UM CLUB DE GRINGOS TINHA A CIDADE ALTA QUE AGORA E AFRANIO DE MELO FRANCO EXTENSAO. O MIOLO DA FAVELA COMERÇAVA NA HUMBERTO PROXIMO A 14DP HOJE ENTRAVA A FAVELA DENTRO IA ATE O PARQUE PROLETARIO DO LEBLON ONDE TINHA UMA COMUNIDADE UM POUCO MELHORADA DOQUE O PESSOAL DA PRAIA DO PINTO AVIA UMA SEPARAÇAO ATRAVES DE M,URO O PARQUE DO LEBLON ENCOSTAVA NO MURO DO FLAMENGO SE ESTENDIA ATE ONDE HOJE E A COBAL e A PRAIA DO PINTO SE ESTENDIA TAMBEM FAZENDO UMA FAIXA ATE A COBAL. TIVE MUITOS AMIGOS LA O MEU MAIOR AMIGO FOI O ZACARIAS QUE MORAVA NUM PEDAÇO ONDE TODOS SEUS FAMILIARES MORAVAO XUXU,BERENICE e OUTROS ISSO ERA PERTO DO INDEPENDENTE DO LEBLON QUE DEPOIS VIROU INDEPENDENTE DE CORDOVIL. MNA FAVELA TINHA NOMES CONHECIDOS COMO O BIROSQUEIRO MANOEL DENTINHO,O MACUMBEIRO PIPA e O BICHEIRO QUE O NOME SAIU DA MEMORIA. RESUMINDO FOI BOM PRA EPOCA, MAIS NAO SERIA POSSIVEL HOJE A PERMANENCIA DEVIDO A GEOGRAFIA DO ESPAÇO ECONOMICAMENTE DITO. ERA UMA FAVELA COMUM IQUAL A QUALQUER UMA COM SUAS DIFICULDADES DE SANEAMENTOS e OUTROS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 4 + 3 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...