Emille Décourt

foto de andredecourt em 02/08/07

Emille Décourt

Em 1870 mudou seu nome de Guilherme para Emille em virtude da guerra Franco-Prussiana.
Nascido em Gauriac região de Bordeux em 11 de Junho de 1836, se mudou para o Brasil em 1874, ganhador de um concurso da Casa Real para fazer as joias da Princesa Isabel, e por aqui ficou, montando estabelecimento na Rua dos Ourives.
Casou-se com Caroline Savoy Broiza, Russo-Suiça e possivelmente judia, já aqui no Brasil, e foi morar em sua fazenda de café, aparentemente dada por P II, na região de Campinas SP.
Morreu em sua fazenda em 7 de Junho de 1906. Deixando 6 filhos, Coralie, Paulo Luis, Noemi, Eugênio, Carlos e Guilherme.
Deixou o legado da família Décourt no Brasil, tendo o ramo carioca formado pelo seu filho Eugênio abolido o acento no nome.

Comments (3)

luiz_o disse em 02/08/07 09:07 …
Gostei da idéia de contar a história da família.
É curioso como antigamente havia menos controle e era mais fácil mudar de nome.
http://fotolog.terra.com.br/luizd
jban disse em 02/08/07 09:42 …
Fundador da “Maison Fleur de La Passion”, com sede em Paris, depois transferida para o Rio de Janeiro, mais especificamente no nascente bairro de Copacabana…
tumminelli disse em 02/08/07 23:41 …
Bacana a foto de Monsieur Décourt.
:-))

12 comentários em “Emille Décourt”

  1. Casei-me há 42 anos c Jose´Luiz Décourt Ricci, filho único de Maria Noemie Décourt, a filha mais nova do casal e xodó do pai. Conheci todos os Décourt, exceto Guilherme, já falecido qdo nos casamos. Vó Mimi, como meus filhos a chamavam, entre outras proezas foi a 1ª mulher a estudar no Colégio Culto à Ciencia de Campinas, mediante abaixo assinado movido por sua mãe. Igualmente, foi a 1ª a cortar os cabelos a la garçonne (fazia um chingnon pa sair da casa de Coralie, q a criou depois da morte dos pais) Casou-se depois dos 40, e aos 43 teve meu marido, q herdou dos Décourt a retidão de caráter, os bons modos e minha filha Daniela é uma autentica Décourtzinha, em tudo e por tudo parecida com a avó, na aparencia, e inteligência. Herdou o anel de noivado feito pelo bisavô, q a avó lhe doou em vida, As demais peças feitas pelo pai, Dona Noemie, doou tudo na revolução de 1932, do qual temos o diploma. Foi ótimo conhecer e encontrar uma família q só valorizou talento, cultura, trabalho e honestidade. M. Inês

  2. Sempre muito interessante aprender mais sobre a família!! Alguém tem algum contato na Suiça ou na França? Seria muito interessante acompanhar!

  3. Sou neta de Guilherme. Meu pai, Geraldo nasceu em campinas. Gostei das noticias. Vale lembrar que tias noemi e coralie, que conheci, faleceram com mais de 100 anos. Me lembro de José Luiz

  4. Sou filho de Ralpho Rezende Decourt e neto de Eugenio Decourt… Logo bisneto de Emilio Decourt (Franca) e Caroline Savoy Broiza Decourt (Suissa)… Interessante porque tenho uma enorme afinidade com a França e a Suissa.. Merecia uma cidadania francesa ou suissa… Kkkkkk

  5. Sou Daniela Rivaben Ricci, filha de José Luiz Décourt Ricci (hoje, com 77 anos), filho de Noemie Décourt Ricci e neto de Monsieur Emile Décourt.
    Acho emocionante poder saber mais sobre a nossa família.
    Tenho muito orgulho por toda a sua história.
    Dos citados, além de minha avó Mimi (falecida em 1984, aos 88 anos), de quem eu gostava muito e que me contava muitas histórias de sua vida, conheci também Tio Eugênio, Vovó Lili (Coralie, minha tia avó) e seus filhos e netos, com quem mantemos contato até hoje.
    Uma família muito culta, que valoriza as Artes e de uma educação ímpar.
    Quem tiver mais detalhes dessa história, por favor, conte-nos.

  6. … legal que neste site sempre se aprende mais!
    Alias o achei pelo ser EUGENIO DECOURT, que foi meu vizinho numa edificação no Brasil: RJ.
    Lembrava das musicas que o(s) filho(s) tocavam e das reações adversas obtidas (rs).
    * E SuiÇa.

  7. Sou filho de Ralpho Rezende Decourt, que é um dos filhos de Eugenio Decourt. Andre Decourt tambem é nome do meu neto. Até hoje nao consegui nenhum contato com a Suiça e nem com a França, mas seria interessante porque minha mulher tem dupla nacionalidade brasileira e francesa.

  8. Boa tarde.
    Coleciono cartões postais antigos de Campinas e preparo um livro sobre o assunto. Ficaria muito grato se algum parente pudesse me dar mais informações sobre a atividade de Guilherme Décourt como cartofilista, fotógrafo e editor de cartões postais de Campinas. Já adquiri alguns postais feitos por ele e enviados para a Europa, seria ótimo poder encontrar mais algum material produzido por ele com algum descendente.

    1. Olá Luís, infelizmente como sou do braço carioca, que pouco contato tem com o paulista não poderei lhe ajudar, mas fica aqui registrado seu pedido.
      Boa sorte e sucesso com sua publicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

What is 11 + 4 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para evitar a quantidade enorme de spams, você precisa responder a conta para provar que você é gente de verdade...